Pular para o conteúdo principal

Outra vez

Depois de um longo período, do tempo passado, do ocorrido transcorrido tantas e tantas vezes, por fim voltou-se novamente para o que mais lhe era precioso. O som das teclas sob os dedos ágeis, o toque desconhecido do outro dispositivo que não lhe era familiar, misturado a sensação clara e óbvia de que todos os teclados eram iguais em algum ponto. Reencontrando, em meio ao movimento do cotidiano que recomeça ao final da estação quente, um prazer oportuno, para aplacar o marasmo do sentimento da repetição.

Ela e suas pequenas histórias então.

Batidas pouco suaves, encadeadas como uma avalanche de ideias que jorram pelos seus dedos em direção ao papel. É a forma como ela constrói sua própria versão do céu. Assim, sem jeito e sem paraíso nenhum. Um mundo todo de mundos de histórias malucas que trespassam qualquer regularidade ou qualquer outra racionalidade. 

Ainda assim.

Parece ser necessário, de algum modo. Parece ser inevitável de algum modo. As palavras poderiam ser tantas e ainda assim são exatamente estas palavras, construindo sentidos sem qualquer senso de direção. Indo e voltando para o mesmo lugar enquanto ocupa o lugar dos pensamentos com sensações e sentimentos que roubou do mundo para seus próprios devaneios exagerados.

Existe algum tipo de paixão sem explicação na forma em que ela segue martelando estas ou aquelas teclas. Constrói ficções que explicam uma realidade só sua. A alma atormentada é a fogueira que alimenta o conteúdo, vasto e perecível de qualquer boa análise. Encontra no chão quaisquer pedrinhas e faz delas as paredes dos seus sonhos vãos.

E ainda assim.

Só através do escrever encontra alguma motivação. Através do contar narrativo, em palavras, em traços, em sonhos, em sons e canções. Encontra apenas nas palavras mais ficcionais uma realidade só sua para compartilhar com o mundo. Envia seus pedidos tolos de amizade e de amor para qualquer lugar estéril que seus braços conseguem alcançar, enquanto dorme.

É, mesmo assim.

Jamais poderia ser de outra maneira. Palavra após palavra, jamais poderia ser assim. Encontrando e avaliando os pensamentos, coloca-se por inteiro em cada um dos milhões de caracteres que já fez decolar para os papéis de todas as naturezas que existem.

Foi embora do mundo em um momento único. Não voltou. Jamais existiu. Uma poesia sem rima e sem métrica que flui através da mente dormente de racionalidade. Voa para todos os lados e ainda assim encontra algo bem no centro, bem no fundo. Escondido sob todas as camadas de mundo e de sociedade.

Prefere esconder-se no alto de seus sonhos construídos sobre fragmentos de sensações e hipóteses. Do que encarar a realidade onde a luta para se fazer entender e ouvir é menor do que a luta para poder viver e existir em uma história real que esmaga todas as diferenças entre almas irmãs.

Foi pensamento apenas em criar-se que colocou suas palavras para fora, nas folhas de papel. Quase que uma hipnose bem sucedida em si mesma. Os pensamentos sonolentos descansam o pensar ansioso, dando espaço para que todas as irrealidades se tornem tangíveis aos seus dedos imaginários de nuvens azuis.

Como palavras.
Como palavras

Escreveu a si mesma em cada um dos seus personagens. Sofreu cada uma de suas dores. Apreciou cada um de seus prazeres físicos e emocionais. Viveu vidas que não eram a sua. Pois no fim tudo se resumia a isso, essa oportunidade de ser uma impostora perfeita de vidas imperfeitas em constante caminhar e sofrer. Não precisava viver em sua realidade limitada todas as possibilidades que desejava. Podia viver naqueles personagens, e viveria, e sempre voltaria para experimentar um pouco mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dois lados de uma mesma coisa

É muito tentador olhar para o lado negativo das coisas. Mesmo que sempre tente me manter concentrada no que estou fazendo, sem cair em comparações ou criar metas sufocantes, é inevitável que, quando menos estiver esperando, pensamentos autodestrutivos vão tentar dominar sobre qualquer bom sentimento que possa cultivar com cuidado. A vida de uma pessoa que se dedica à arte de forma autônoma, sem retorno financeiro, é bastante solitária e dolorida. Com muito custo consegui conquistar algumas pessoas que acompanham meu trabalho. Cada uma dessas pessoas é muito importante para mim, mesmo que eu jamais as tenha encontrado e mesmo que, no momento em que o pior sentimento de solidão me atinja como um soco, eu não possa pedir algum conforto. Não, não existe conforto para quem escolhe a arte. Especialmente em um sistema que combate a arte, que vê toda expressão pessoal como inimiga e que premia apenas alguns muito poucos sortudos com algum retorno social e financeiro. De muitas formas é e

Amiga solidão

Por que te assusta a solidão se foi ela quem te criou? Silenciosa, no passar das horas Sozinha, criança e calada Abandonada à única companhia dos pensamentos Solidão, querida solidão Abraçou-te como mãe Ensinou como mestra Que não haveria ninguém ali Mas que sempre existiria um refúgio para ti Os pensamentos Recheados de ideias malucas Vindas dos filmes, da televisão Dos jogos, dos gibis Ideias coloridas, ideias aventurescas Barulhentas e agitadas Incapazes de quebrar o tic-tac do relógio da parede Pois eclodiam em sons apenas dentro de si Solidão, amiga eterna Por que a afasta agora, depois de tudo? São amigas de infância, tu e ela Se não fosse por ela, só por ela Jamais teria aprendido a criar teus próprios mundos Tuas próprias historinhas de aventurar A solidão do hoje é barulhenta A rua, a sala, o escritório Sempre que podes te esconde dessa confusão com música Enredos próprios Só teus Então Por que temes que a solidão te faça a companhia? Aceita