Amiga solidão

Por que te assusta a solidão
se foi ela quem te criou?
Silenciosa, no passar das horas
Sozinha, criança e calada
Abandonada à única companhia dos pensamentos

Solidão, querida solidão
Abraçou-te como mãe
Ensinou como mestra
Que não haveria ninguém ali
Mas que sempre existiria um refúgio para ti

Os pensamentos
Recheados de ideias malucas
Vindas dos filmes, da televisão
Dos jogos, dos gibis
Ideias coloridas, ideias aventurescas
Barulhentas e agitadas
Incapazes de quebrar o tic-tac do relógio da parede
Pois eclodiam em sons apenas dentro de si

Solidão, amiga eterna
Por que a afasta agora, depois de tudo?
São amigas de infância, tu e ela
Se não fosse por ela, só por ela
Jamais teria aprendido a criar teus próprios mundos
Tuas próprias historinhas de aventurar

A solidão do hoje é barulhenta
A rua, a sala, o escritório
Sempre que podes te esconde dessa confusão com música
Enredos próprios
Só teus
Então
Por que temes que a solidão te faça a companhia?
Aceita
Te diverte nela
Recheia teus mundos
E coloca aqui para fora o que nasce nesse pensamento
Barulhento

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um mundo de possibilidades

Dois lados de uma mesma coisa

Quatorze