Pular para o conteúdo principal

Elegia do Fracasso



Falhar em algo que se tinha muita expectativa pode ser um dos piores sentimentos para quem tem alguma ambição. O tempo que passou no esforço para alcançar a meta se torna algo inútil, uma perda de tempo. Você se torna o motivo de zombaria por não ser uma pessoa bem-sucedida. 

Essa é nossa primeira ideia diante do temido Fracasso. Mas talvez essas concepções sejam armadilhas que nos fazem ter um medo ilógico sobre essas coisa que é falhar em algo.

Recentemente tive um conto recusado para uma antologia. Foi o primeiro não formal de uma editora e devo confessar que doeu pra caramba. Que fracasso foi o primeiro pensamento que me ocorreu. Porém não sou mais uma escritora principiante e rapidamente absorvi mais aquele fracasso, colocando-o na minha prateleira secreta de falhas e coisas que deram errado. Uma das maiores coleções que tenho na vida.

Cinco livros que ninguém nunca leu, dezenas de contos que, ou nunca viram a luz do dia, ou foram tratados como menos que bosta onde estivessem expostos. Uma série em quadrinhos mal desenhados, quatro dezenas de tirinhas que eu mesma fiz questão de levar ao derradeiro fracasso por medo. Quatro projetos artísticos em grupo que morreram na praia e um que, não fracassou mas entrou em hibernação eterna. . .

Fracassar faz parte da vida assim como respirar. Cada palavra não entendida é um fracasso. Cada gesto mal interpretado é um fracasso. Cada vez que em que você se acovarda diante do novo, do desafio, é um dos piores fracassos.

Todo mundo tem medo de falhar. O medo está comigo todas as vezes que sendo diante do computador e olho para o editor de textos em branco. Acreditar que a vida pode ser apenas uma sucessão de vitórias é como pensar que dá pra ganhar na loteria toda a vez que se joga, ou mesmo nas vezes que se esquece de ir na lotérica pagar o bilhete.

O oposto do fracasso, o sucesso não é como loteria, mas a chance de acontecer em toda a potência tem uma probabilidade de acontecer bem parecida. A diferença fundamental é que a quantidade de tentativas de alcançar esse tal aumenta uma fração a cada vez que se "entra no jogo". Não por pura lógica matemática, mas sim porquê todas as vezes que falhamos aprendemos coisas importantes para não repetir na próxima tentativa.

Só aprende quem fracassa pode parecer uma frase de auto-ajuda, mas é um fato. Tentar realizar algo com todo o empenho nos faz aprender muito e superar a dor da derrota só nos torna pessoas melhores para a próxima vez.

E se o sucesso nunca chegar? Você vai ser só um infeliz que fracassou? O Fracasso é assim tão doloroso que seja impossível continuar vivendo com ele ao lado?

Só vive quem arrisca, quem tenta e quem, invariavelmente, fracassa. Não apenas uma, mas muitas vezes. Com muita sorte o sucesso pode dar as caras, mas não há garantias. E mesmo quando a vitória aparece ela não é eterna, mas apenas um estupor de brilhantismo que logo é carregado pelo rio do tempo. Cantar sobre a vitória é, mesmo para os mais sortudos, cantar sobre algo tão mínimo em meio ao tempo que se vive que soa mais como uma fantasia. De fato, pode ser apenas iludir-se sobre o que é viver e ter construir um valor.

Proponho que se dê o devido valor ao insucesso. Convido para que se perca o medo de falhar, perder, ser derrotado e não conseguir. Tentar e sentir o sabor do sonho podem ser recompensas frágeis, mas doces em seus instantes de brilho. Talvez tanto quanto os instantes de vitória são. Por que um deve ser melhor do que outro?

A Elegia do Fracasso é um lamento melancólico, é uma música de quem sabe que não existe caminho que desvie da frustração. Não um Epitáfio, pois o fracasso será sempre nosso companheiro. É talvez um conforto para que possamos encarar nossos desafios uma vez e saber que, mesmo sem garantias da glória nossa vida possui valor e, mais do que isso, um sentido que só cabe à nós saber se é bom o bastante ou não.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…