Pular para o conteúdo principal

[Escrita] O pesadelo da segunda versão

Escrever uma história ficcional é um trabalho fascinante, mas também exaustivo. Estruturar uma trama e então colocá-la em palavras, tantas quantas forem necessárias, é um ato que exige mais do que gosto por ficção. Exige disciplina e perseverança, ainda mais se estivermos falando de uma trama longa, como um romance.

Porém, depois de dois ou três meses de trabalho duro e quase diário, quando você enfim tem todo seu manuscrito nas mãos e o deixa descansar por mais alguns meses você resolve retomá-lo. Eis o glorioso momento de apenas rever alguns errinhos bobos de digitação para então ter sua obra-prima pronta para ler levada às editoras, é o que você pensa.

Mas então você descobre que aquele manuscrito está horrível.

Pior do que horrível, está vergonhoso. Os personagens parecem saídos do nada e alguns estão tão rasos e sem participação que ninguém notaria a diferença entre eles e uma torradeira. E de onde saíram tantas subtramas que não levam a lugar nenhum? Muito mais crítico do que isso é ver que sua linha principal de história também está errada, com buracos e descontinuidades. Em alguns momentos você parece ler o roteiro de uma peça escolar, onde os personagens decidem ir pela direita porque a professora mandou, não porque há um universo a ser salvo.

E é assim que você descobre uma verdade cruel: terá que reescrever. Não, você terá que praticamente fazer tudo do zero outra vez, se quiser que aquele monte de palavras sem o menor valor se transforme em algo parecido com uma boa história.

Infelizmente isso é bastante comum e natural. Um enredo não nasce pronto e também não se apronta sozinho enquanto se faz um primeiro rascunho. Muitos acabam travando na hora de colocar as primeiras palavras para fora justamente por medo desses enganos de uma primeira versão. Porém, o fato é que é quase certo de que se vai cometer esses erros, em grande ou pequena escala, da primeira vez.

Personagens desnecessários, antagonistas forçados, motivações descabidas. . . Esses são apenas alguns dos problemas que uma primeira versão pode ter e são um pesadelo que assombra o autor antes mesmo da primeira frase. Mas, mesmo dentro dessa roda de pavor criativo, existe um consolo simples para tal aflição:

É importante que tudo saia errado na primeira versão.

Ninguém é capaz de enxergar todos os defeitos de uma ideia abstrata, recém-criada, antes de colocá-la em palavras concretas. Tendo um texto feito e podendo analisá-lo com olhos de um expectador, fica muito mais fácil para o escritor compreender onde ele precisa fazer modificações. Ou mesmo o que ele tem que cortar fora por completo na segunda versão.

Talvez você tenha personagens demais. Talvez falte uma atuação mais convincente do antagonista ou mesmo do protagonista. Talvez você tenha criado complicações excessivas para impedir que seus personagens chegassem logo no momento onde as coisas ficam complicadas e, naturalmente, sua primeira metade de enredo ficou arrastada e tediosa. 

Ninguém vai enxergar isso antes de escrever a primeira vez. E, em especial, ninguém poderá fazer uma versão muito mais amadurecida de história sem ter aquele calhamaço de baboseira primeiro.

Então, depois de recuperar-se do trauma de ter escrito algo que não pagaria cinto centavos para ler, e você compreende tudo isso que falei, chega o momento de recomeçar.

É a hora da segunda versão.

Talvez você possa aproveitar vários trechos, ou sequências inteiras de ação e diálogo. Será muito sorte se assim for, mas não se prenda a isso. Pode acontecer de você descobrir que, não mais do que despropositadamente, você estava escrevendo um livro completamente diferente do que achava que estava. Nesse caso, recomeçar vai ser de fato, praticamente do zero.

Não desanime. Essa é apenas mais uma das etapas desse trabalho. Esse fascinante e exaustivo ofício que é escrever ficção. Ninguém lhe pediu para fazê-lo e ninguém ficará mais satisfeito quando terminar do que você mesmo. 

Então, siga em frente.


Comentários

  1. Ola!
    tenho um blog e gostaria de saber se aceita parceria ?
    http://outromundocosplay.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…