Pular para o conteúdo principal

Comentários sobre Zero Eterno volume 1

Olá a todos!

Apesar da crise financeira estar apertando nossos bolsos trabalhadores, ainda é possível comprar alguns mangás que não se conhece para ter alguma surpresa. Foi com esse espírito de certa cautela que adquiri o primeiro volume de Zero Eterno (história de Naoki Hyakuta e arte de Souichi Sumoto), publicado no país pela JBC. Uma escolha nem tão arriscada assim, afinal adoro histórias à respeito da Segunda Guerra Mundial pelo ponto de vista dos japoneses.

Comentários sobre Zero Eterno - volume 1



Baseado em um romance de mesmo nome, Zero Eterno (Eien no Zero, no original) é uma ficção que conta a jornada de Kentaro Saeki, um jovem homem sem rumo na vida que, através da curiosidade de sua irmã pelo passado do avô biológico deles, Kyuzo Miyabe, um aviador e Kamikaze que lutou na Guerra do Pacífico.

A guerra narrada pelos que sobreviveram. É assim que vamos desvendando a figura de Miyabe junto com seus netos. Um dos primeiros pontos que chama a atenção na construção dessa figura é quando os dois irmãos, enquanto conversam sobre o assunto em uma lanchonete, chegam ao seguinte questionamento:

Nosso avô era um terrorista?

Muitas vezes não paramos para refletir sobre os diferentes pontos de vista que as pessoas tem dos mesmos fatos. Kyuzo Miyabe foi um kamikaze, uma pessoa que jogava sua vida fora para causar o máximo de destruição aos seus alvos. Se compararmos com os radicais do oriente médio de hoje em dia, fica bastante óbvio para nós que os kamikaze poderiam ser considerados sim terroristas. Porém, não era assim que os japoneses viam as coisas na época da guerra. Todos os que morreram de fato daquela maneira sentiram-se cumprindo seu dever para com o Grande Império Japonês e também para com a divindade do Imperador. Para eles aquela forma de morrer era extremamente grata para um aviador. Uma honra.

Um dos pontos de maior destaque no enredo neste primeiro volume é a maneira como ele consegue deixar em profunda evidência a diferença de valores entre o período de guerra e o período de paz. Aliás, essa parece ser uma constante em toda a obra.

Miyabe é relatado pelo primeiro veterano de confronto que os irmãos entrevistam como um covarde por preservar sua própria vida.




Sobre os fatores físicos do mangá: a arte é primorosa, sóbria e ótima para retratar o ambiente militar da época em questão. O acabamento da edição brasileira é bastante satisfatório, apesar de achar o preço um tanto salgado (se em comparação com Planetes, publicado pela Panini, que tem um acabamento ainda melhor e um preço menor).

Enfim, Zero Eterno é uma adaptação de livro, mas é muito interessante em si e convidativa a todos que apreciam um enredo mais sóbrio e/ou o tema Guerra. Fica a sincera recomendação aos interessados em ler esta publicação.

Por hoje era isso. Até a próxima!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…