Pular para o conteúdo principal

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!

Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).

Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.

Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a piloto da nave, Fee Carmichael, uma mulher de muita personalidade e certo nível de irritabilidade constante pela dificuldade de manter seu vício no cigarro enquanto trabalha no espaço.



Tendo falado do plot e dos principais personagens gostaria de dar certo destaque à maneira toda própria com que o enredo é desenvolvido. Os dois primeiro capítulos são fechados em si, sendo o primeiro focado em Yuri e suas motivações que vem de um passado trágico. Depois temos Hachimaki, que passa por um tratamento na Lua e conhece uma jovem bastante peculiar. Uma pessoa que consegue marcar o astronauta e passar-lhe, através de seus atos, valores profundos para sua própria vida.

Depois desses capítulos iniciais a trama começa a desenvolver-se de maneira mais linear. Isso não tira dos capítulos os seus enredos próprios e auto-contidos, porém a cadência entre esses acontecimentos é bem mais proeminente na trama como um todo.

O principal ponto de Planetes é a relação entre a vida do espaço e os seres humanos, criaturas que não nasceram naturalmente para este tipo de ambiente. Os anseios dos astronautas em conflito com suas limitações e todos os riscos tão reais de aventurar-se no cosmos, mesmo para as coisas que pareceriam mais rotineiras. É nesses pontos que a trama brilha de maneira única.

Falar da arte nem parece necessário quando se tem um estilo tão sólido e bonito de traçado como é o de Yukimura. Os personagens são todos muito bem distintos, com traços visuais próprios e que falam muito sobre suas personalidades. Os desenhos de equipamentos espaciais são muito precisos, o que deixa clara a utlização de referências diversificadas e de aparatos reais da atualidade. Sendo uma ficção-científica hard este aspecto é um dos que mais dá credibilidade e dá ao leitor o convencimento necessário nas situações ali apresentadas de maneira.


Pessoalmente. . .

Planetes é um dos títulos que valem mais à pena seres adquiridos. O material está bem tratado graficamente, com um acabamento robusto, que se valoriza ainda mais pelas artes de capa e estilo gráfico adotado. Dentro, as páginas coloridas são de ótima qualidade, valorizando a maneira pessoal do autor utilizar as cores.

Se já não bastasse essas qualidade provenientes da edição nacional, existe a qualidade incrível da concepção e trama de Planetes. Personagens de personalidades distintas e tangíveis, com características que se mostram com facilidade. Desde o protagonista, até Nono, mesmo aparecendo em um único capítulo.


Concluindo

Planetes vale muito a pena como compra, pela qualidade, preço e excelência do enredo, e também como leitura (se você já está com o orçamento de quadrinhos comprometido, mas tem um amigo que está colecionando a série). Por ser curta, e levando em conta os rumos já mostrados no final deste primeiro volume, é bastante seguro dizer que Planetes será uma leitura marcante do início ao fim.

Por hoje era isso.
Matta ne.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …