Pular para o conteúdo principal

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.

Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais constante a partir do terceiro arco da história, chamado simplesmente de "Festival Escolar".

Para os que acompanharam Negima ficou claro que o autor acabou perdendo o fio de Negima quando enfatizou demais a parte de ação em uma história que começou com o espírito de comédia pastelão aos limites. O final da série, um improviso que decepcionou muito, esteve cercado de perguntas. Fato é que Akamatsu criou um cenário interessante, mas acabou transformando os personagens de Negima em figuras forçadas a empurrar um enredo que não tinha mais a cara deles.

E então, chegou a vez de UQ Holder.



O mangá é uma sequência do universo de Negima, um futuro não muito distante, onde o Japão construiu um elevador até o espaço (já ouvi falar que isso já foi cogitado a ser feito na vida real) e onde os humanos comuns enfim foram informados sobre a existência da magia e dos magos (o que era o objetivo de vida do protagonista Negi Springfield ao final da série anterior). E é nesse cenário cheio de possibilidades que vamos acompanhar a saga de Touta Konoe encarando um aspecto da magia que desde tempos antigos permeia a imaginação da humanidade:


A Imortalidade.

Touta é um orfão que vive em uma vila do interior do Japão, sob a custódia de Yukihime, a pessoa que sobrevivera junto com ele ao suposto acidente que tirou as vidas dos pais do rapaz. Como um sonhador Touta deseja ir para a grande capital de Amanomi Hashira (se Tóquio já era enorme, imagine essa...) e o caminho mais fácil parece ser derrotar em uma luta Yukihime. Tudo isso graças a uma promessa do líder da vila em dar passagens para a capital caso algum dos garotos do local conseguisse realizar tal feito.

Sem entrar em detalhes do enredo gostaria de dizer é que UQ Holder começou com a dose exata de pancadaria, ação dramática e adrenalina. Ken Akamatsu vem mostrando mais uma vez que sabe fazer lutas muito bem pensadas, desenhadas e coreografadas. 

Até o momento de publicação deste post já foram lançados 9 capítulos de UQ Holder, nos quais o desenvolvimento do cenário foi o maior foco. Os três personagens centrais: Touta, Yukihime e Kuroumaru já estão bem colocados e a dupla de amigos já está diante de um grande desafio que irá testar até os limites das suas habilidades.



Enfim, a nova obra de Ken Akamatsu começou com o pé direito, mostrando um potencial grande para uma obra de ação bem aos moldes dos grandes sucessos da indústria de quadrinhos japoneses. Os fãs anteriores do autor também tem o plus da curiosidade sobre o cenário de UQ Holder. Mistérios envolvendo os personagens marcantes de Negima estão ocultas nesta nova história, o que instiga muito os fãs.

E é nessa dose equilibrada de novidade e tradição do próprio trabalho, Ken Akamatsu apresenta esse que pode ser seu último mangá semanal. Fica a minha torcida, como fã do "Tio Ken" para que as vendas de UQ Holder sejam um sucesso. Confiram este mangá, está valendo a pena.


PS: Queria que o tempo passasse mais rápido só para ver o dia, num futuro talvez ainda distante, em que a JBC vai publicar mais esse mangá do Akamatsu no Brasil.

PS2: Já sou fã do Kuromaru!

Comentários

  1. Saudações

    Os surtos da amiga Mazaki começarão muito em breve, sendo que acredito muito nesta premissa...^^

    A obra parece ser boa, inclusive fugindo um pouco do aspecto habitual mais esperado por Ken Akamatsu.

    Mas, como fã de Love Hina que sou desde 2003, aguardarei com vontade pelo que virá pela frente.


    Até mais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Queridos. Avistei a edição número 1 do mangá aqui perto de casa e vou comprar. Ken-san e demais fãs podem comemorar. Eu vou dar minha contribuição e comprar a obra física e evitar baixar o pirata.
      JBC. Não inventem de falhar na distribuição, principalmente aqui em Manaus que quase sempre sofre com essa discriminação de vcs.

      Excluir
  2. Muito boa a matéria cara, mais discordo na parte que você falou que as obras de Ken Akamatsu não são conhecidas no Brasil. Bem pelo que li estou vendo que esta nova obra do Ken, parece fugi um pouco das outras que o tornaram famoso, ou seja, comédia e cenas picantes, mais como fã de Ken Akamatsu eu espero que este Mangá não decepcione como Mahou Sensei Negima. PS Love Hina é um Trilhão de vezes melhor que Negima!

    ResponderExcluir
  3. ñ gostei dessa nova série,gosto muito das séries do Ken Akamatsu,love hina então nem sei quantas vezes eu li esse manga,mais essa ai sei lá,ñ curti muito ñ, bom ainda tá começando e é claro q vou acompanhar,mais somente por ter ligação com Negima si ñ esperaria acabar pra depois ler,como Negima teve um final meio tosco to na expectativa d que ele nos de um explicação mais detalhada do q aconteceu com os personagens e realmente tomara q vários deles voltem nessa nova série.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…