Pular para o conteúdo principal

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?



Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos e etc, mas existe uma mensagem na obra que é sobre esse modo de ver a realidade, de revelar as verdades que existem por debaixo dos panos da vida comum. Algo que pode ser transportado para o nosso dia-a-dia, quando nos questionamos se nossa vida é só viver de um trabalho ordinário que não gostamos ou é possível ir além, "sair da Matrix".

Partindo para algo mais "familiar" mas que também seja mais simples de explicar essa questão de significado. Nausicaa, o filme consagrado de Hayao Miyazaki que mostra uma guerra de interesses e sobrevivência em um mundo completamente catastrófico. A mensagem aqui é de reflexão, sobre o nosso modo de tratar com o mundo e também o modo de tratar uns com os outros. Uma mensagem profunda sobre respeitar a vida.

Agora, uma questão que me vem ao trazer estes exemplos é: Porque então a série Suzumiya Haruhi, que é uma obra literária, é mais difícil do público admitir, ou mesmo perceber que existe um significado intrínseco? E a resposta não é tão misteriosa assim: público alvo e linguagem.

"Haruhi" é uma comédia juvenil dotada de toques de ficção-científica, com seus teoremas sobre a estrutura do universo que beira a metafísica mais séria. Porém a obra ainda é uma light novel, uma literatura feita para jovens, e por isso é recheada de humor e exageros nos acontecimentos. É essa linguagem que faz a obra dar tão certo para seu público e mesmo para pessoas fora da faixa de critérios visada pelo autor/editora.

Acontece que o público mais crítico é muitas vezes mais velho do que o público alvo da série, o que faz Haruhi sofrer os mesmos tipos de preconceito que livros infanto-juvenis sofrem. É bem similiar, comparando alguns parâmetros, com o preconceito contra a série Harry Potter, onde os críticos (que muitas vezes nem se aprofundaram em conhecer o trabalho da autora) diz que aquilo é apenas diversão para crianças bobas, ignorando as mensagens contidas ali. Se a obra fala de amor incondicional, ou superação dos próprios limites, valor da amizade, isso não importa aos críticos. Para eles, o fato de ser "infantil", já tira qualquer valor moral que possa estar contido na história.

O exato caso de Suzumiya Haruhi.

Mas então, sobre o que fala Haruhi? Qual é o significado dessa história? Na verdade este texto é motivado pela minha surpresa ao perceber que mesmo as pessoas que gostam da série como um todo não se atenta para este sentido.

Suzumiya Haruhi fala sobre cada um de nós. Sobre a capacidade infinita que cada pessoa quando jovem tem de construir a própria vida. Através de uma caricatura cheia de nonsense e humor, o autor esta dizendo a cada página a seguinte mensagem:

"Você é o Deus do seu próprio Universo e pode criar qualquer coisa, mas tudo parece um tédio ao seu redor porque você não sabe desse seu poder."

Os mais pessimistas, aquelas pessoas que acumulam frustrações umas atrás das outras através dos anos, poderão ser bastante intransigentes com essa idéia, porém isso não tira a verdade da mensagem do autor. Todos nós podemos ser qualquer coisa quando nascemos, são as nossas escolhas e a nossa própria capacidade de limitar o mundo que pode nos levar a caminhos tedioso, sem graça, frustrantes...... melancólicos.

A história de Suzumiya Haruhi é uma verdadeira guerra entre aqueles três elementos da psiquê que nós, leigos, conhecemos: Id, Ego e Super-Ego. Um enredo que simboliza as nossas potencialidades como os grandes feitos de Haruhi, que é capaz de criar viajantes do tempo, alienígenas e espers, mas ao mesmo tempo é cética da sua própria capacidade, censurando-se ao ponto de ser completamente alheia a esses poderes infinitos. Esses somos nós, nos julgando incapazes e entrando na faculdade que nossos pais escolheram para nós, abraçando o emprego que eles desejaram para nós, por não termos coragem de acreditar que poderíamos ter feito tudo diferente e encontrado coisas maravilhosas escondidas embaixo da cama.

Você é tão egocêntrico quanto essa garota aí, admita!


Toda a história, por mais boba que pareça, contém uma mensagem. Quando não contém é que surgem aqueles enlatados onde realmente a única preocupação é estética e que não consegue passar desapercebida essa sua falta de valor. Se for parar para pensar sem preconceito, até coisas consideradas descartáveis em significado, como por exemplo as séries literárias de Crepúsculo e 50 tons de cinza tem alguma mensagem, ainda que seja tão repugnante ou babaca que seja melhor para muitos ficar distante, mas que para aquelas pessoas que se indentificam com esta mensagem trás entendimento e conforto.

Quem sabe se cada um olhar com um pouco mais de cuidado talvez possa apreciar bem mais coisas sem se deixar levar pelo seu monstro da crítica e frustração. Quem sabe.

Comentários

  1. Saudações


    Suzumiya Haruhi no Yuuutsu é uma obra valorosa aos meus olhos, Mazaki, onde a história consegue unir agradavelmente o dito sci-fi com os toques de slice-of-life e ação descompromissada (em poucos momentos, porém existentes).

    Muitos que não gostam do anime (ou da novel em si) se apegam ao dito juvenil ou à tal da supressão de descrença para tentar definir, de forma única, que a obra pouco valor tem.

    Em resumo, apenas presumo que estas perderam uma obra bem carismática e valorosa de se acompanhar, não mais do que isso.


    Até mais!

    ResponderExcluir
  2. Eu vejo o objetivo de Suzumiya Haruhi de outra maneira.

    Como o prórpio nome da série diz, ela se trata da "Melancolia de Haruhi Suzumiya". E por que ela está melancólica? Simples: porque ela tá de saco cheio com o mundo e sua mesmice, onde todos os dias parecem iguais e supérfluos, onde tudo cai na rotina e você se vê obrigado a seguir um parâmetro pra sua vida caso queira viver em sociedade, ela está estupefata com o fato de tantas pessoas existirem no mundo e que a sua existência não é nada em meio à todas elas.

    Ou seja, ela procura coisas como Aliens, Espers e Timetravels justamente para deixar sua vida mais divertida, diferente, única. Que se diferencie da das outras pessoas que existem aos milhares na Terra. O fato dela ter poderes divinos não influencia muito nesse objetivo central, serve apenas como ferramenta para que o mundo se adapte à seu gosto.

    E onde entra o Kyon nisso? Simples: ele é a voz da razão, o cético, ele está ali para mostrar que o mundo real não é tão chato assim e que sim, pode ser divertido mesmo não tendo esse monte de bizarrices. Prova disso é que ele mesmo quem disse pra Haruhi criar o próprio clube(mesmo que não diretamente), e aos poucos isso vai se tornando realidade: Como quando ela cantou no ENOZ, quando ela fez o mundo girar em infinitos loops apenas por vontade de fazer o dever de casa com seus amigos, ou mesmo quando com um beijo ela perdeu a vontade impetuosa de refazer o universo.

    No caso do filme, ele mostra que o prórprio Kyon também começa a perceber o ponto de vista da Haruhi, sobre a realidade ser chata, tanto que prefere deixar o mundo maluco como estava do que ter uma vida comum e simples, sem nada de mudanças interdimensionais e poderes divinos.

    No caso de muita gente não gostar/odiar esse anime é por ele ter uma protagonista totalmente diferente do habitual: chata, irritante, mesquinha, egocêntrica, egoísta, faz o que quer e quando quer e não se importa em quem vai se dar mal no processo(vide Asahina). "Você vai fazer o que eu quero, dane-se se gosta ou não". A galera imagina uma personagem assim como se fosse uma pessoa real, e acaba por levar isso a sério demais e criticar o anime por isso. Outro motivo é o fato dele ter muitas falhas e desperdício de tempo, principalmente com o famigerado Endless 8.

    No geral, eu particularmente, acho Suzumiya Haruhi no Yuuutsu um anime mediano, que consegue desenvolver seu objetivo e não se afastar dele, mas que peca pelo enfoque em coisas desnecessárias.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…