Pular para o conteúdo principal

Bouken-Ni #23 - Malditos Otakinhos

Olá a todos! Chegando mais uma vez uma tira do Bouken-Ni com todo o esforço meu e da nossa amável arte-finalista  @SechanKV (minha chefa no blog Kono-ai-Setsu), esperamos que apreciem mais essa micro historinha dos nossos "Otakus Nada Incomuns" (slogan adaptado da sugestão amável do Diogo Prado, do Anikenkai).

Nota: Esta tira foi inspirada pela otaka gaúcha Josi, dubladora oficial do mascote Netotin que conheci durante o encontro que aconteceu em Porto Alegre, no mês de Setembro. Obrigada pela piada pronta, Josi!



Agora falando um pouco do Bouken-Ni (enxer linguiça na postagem?! Não não. . . ) eu estou realmente trabalhando para melhorar e expandir essa pequena série amadora no próximo ano (lembrem-se que o BN nasceu em janeiro, quase 1 ano. . .). Isso tanto porquê eu acredito que existe ainda bastante coisa divertida a se falar sobre o cotidianos dos amantes de cultura japonesa pop deste nosso país. O outro motivo é porquê, apesar da falta de destreza total, eu adoro desenhar o Bouken-Ni e ainda quero eu mesma vestir a (já elaborada e devidamente guardada na gaveta) camiseta "Eu sou Pseudo-Cult".

Por enquanto não dá pra compartilhar muitas ideias, mas, por enquanto, criei um email, para onde contatos mais próximos sobre a série podem ser tidos. Logo devo criar também uma conta no twitter para divulgação (um twitter do Pseudo-Cult, o que acham?).

boukennibr@gmail.com

Alias, devo dizer a vocês que só ainda não lancei a segunda (e terceira) edição da "Coluna do Pseudo-Cult" graças a algum receio que não tem nem muito sentido. Vai entender!

Até a próxima tira pessoal!

Comentários

  1. Saudações

    Só quem viu a cena para saber o quanto o relato deste Bouken-Ni é verídico...^^

    Se bem que o escopo aqui tratado é maior do que se pode imaginar.

    Ótimo trabalho, amiga Mazaki.


    Até mais!

    ResponderExcluir
  2. quase um ano! parabéns. desde o começo apoiei a ideia. achei divertida.acho que todos somos meio pseudo-cults,não?
    crie uma conta no Twitter, e etc.

    ResponderExcluir
  3. Só posso imaginar a cena que inspirou isso, mas devo dizer, vê-se muito do gênero por ai...

    Bem, eu apoio o twitter do Pseudo-Cult (embora eu mesmo não tenha uma conta...) e tudo o mais.
    Quando a camisa estiver em produção, avise, que eu encomendo a minha ("pseudo" talvez, mas melhor isso que nada, não é? Hehehehe..)

    Continue com o bom trabalho, Mazaki-san, e até logo, em breve, comemoraremos o aniversário do Bouken-Ni!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…