Pular para o conteúdo principal

Protagonista vs Personagem Principal

Olá a todos! Trarei hoje um texto um pouco mais técnico para vocês, algo incomum, mas necessário, visto que este é um ponto bem (BEM) importante dentro de qualquer trama: o Protagonista. Decidi trazer este texto porque, na verdade um certo videoblog otaku (que eu adoro) me fez lembrar de algo que a vários anos sempre me incomodou de modo mortal ao escutar alguém dizer (quer dizer, na verdade eles só falaram do anime, o que já me fez lembrar XD). Algo realmente escandaloso, terrível, pecaminoso e quase hediondo.

"Suzumiya Haruhi é a protagonista da série Suzumiya Haruhi"

Sim, estamos começando um texto meio longo e cheio de verdades incômodas.

Madoka já está pronta para a batalha! (?)

Vamos pegar dois exemplos distintos para demonstrar as diferentes entre protagonista e outros tipos de personagens que estão bem no centro das narrativas sem necessáriamente ser a mesma pessoa (personagem-título, personagem principal e héroi): Suzumiya Haruhi no Yuutsu e Mahou Shoujo Madoka Magica.

Mas primeiro... definições!

Héroi, protagonista e personagem principal

Pesquisando para este texto encontrei uma referência muito útil para esclarecer essas definições muitas vezes misturadas pela mente do público. Trata-se de uma postagem de John August, roteirista responsável por filmes como a nova versão da Fantastica Fábrica de Chocolates (desculpe você, mas eu ADORO essa versão deste filme) e As Panteras. O texto original encontra-se aqui, e uma tradução útil encontrei no blog Palavras no Papel, aqui. Vejamos:

"Herói

Minha definição super-simplificada: este é o personagem que você espera que vá ‘ganhar.’ Embora não tenha problema pensar no Super Homem ou no Aladin, o herói não tem que ser nobre, corajoso ou especialmente talentoso. Contanto que você esteja torcendo por ele, é só o que importa.
Personagem principal É exatamente como parece: a estória é principalmente sobre esse personagem. Confuso? Em geral, o nome dele aparece no título:ShrekRei ArthurTootsieCidadão Kane.
Protagonista

É o personagem que muda durante o curso da estória, viajando do Ponto A ao Ponto B, literal ou figurativamente. Ele aprende e cresce conforme a estória progride. Em geral, protagonistas querem algo no início da narrativa e, no final, descobrem que precisam de algo diferente."

Vamos ver como esses conceitos nos mostram como cometemos alguns equívocos?

Haruhi vs. Kyon - o protagonista injustiçado



Suzumiya Haruhi no Yuuutsu ou A Melancolia de Haruhi Suzumiya é a história de Haruhi Suzumiya, uma garota do ensino médio especial, que [...]. A sua história é contada por Kyon, seu colega, que recentemente deixou de acreditar nestas coisas mas sempre se vê envolvido nos esquemas de Haruhi.(animescenter)

A história tem como personagem principal Suzumiya Haruhi, uma colegial que [...]. A história tem como narrador o estudante com o apelido de "Kyon", um garoto do mesmo colégio de Haruhi Suzumiya. Kyon participa [...](wikipédia)

Sim, até que ambos os sites falaram de modo correto sobre Haruhi, mas os dois incomodam bastante pelo mesmo ponto, que aliás é o ponto de vista de grande maioria do público que conhece a série: chamar Kyon de (somente) narrador.

Sim, ele é o narrador dos livros, do anime, do filme de tudo, mas ele também, é o PROTAGONISTA da série Suzumiya Haruhi, pois, como está explicado no trecho citado, o protagonista é aquela pessoa que evolui durante o enredo, que muda, que passa por algum tipo de transformação, não importa a escala. Haruhi é sim a personagem principal e personagem-título, mas ela é exatamente a mesma garota birrenta e maluca durante toda a trama (até onde conheço, lá pela sexta novel, ok). Já o nosso protagonista-narrador é quem muda o mundo e a si mesmo durante o desenvolvimento do enredo (sim, ele muda o mundo, afinal se ele não intervisse a Haruhi já teria explodido tudo XD).

Aliás a cena em Shoushitsu na qual ele questiona a si mesmo e percebe finalmente o quanto gostava e valorizava seu dia-a-dia caótico ao lado da pseudo-deusa são sua consolidação como um protagonista e tanto, que faz escolhas e traça assim os caminhos do enredo de toda a trama.

Sim, a história gira ao redor de Suzumiya Haruhi, por isso ela é a PERSONAGEM PRINCIPAL (deu pra notar meu trauma ne?). Sim, meus queridinhos *Willy Wonka feelings*, existe mais entre esses tipos de personagens do que o entendimento leigo e comum mostra. Agora, vamos a um exemplo mais intrincado!

Madoka vs. Homura - cada coisa em seu lugar



"Ah Mazaki, eu já entendi! Você vai dizer que mesmo que o nome da série seja MADOKA Magica, ela é a personagem principal e a Homura é a protagonista, né?".

Não não, você entendeu errado. Quer dizer, quase certo, mas ainda assim errado.

Mahou Shoujo Madoka Magica conta a história de Kaname Madoka, uma garotinha com uma vida feliz e comum que acaba sendo encontrada por uma entidade misteriosa chamada Kyuubey que lhe oferece um contrato para que ela se torna uma Garota Mágica, para assim poder lutar contra as terríveis bruxas, tudo em troca de um único desejo.

Bom, tentando não entrar em detalhes, acompanhando a série nós podemos ver no trio final de episódios um conjunto de reviravoltas que nos faz compreender tanto que a histórias que assistimos até ali começou "da metade" como a real influência e importância que um personagem misterioso, distante e marcante (Akemi Homura) tinha desde o princípio.

Agora, ainda que possamos dizer, levados pelos fatos que nos são apresentados, que a verdadeira protagonista da trama é Homura e que, seguindo o exemplo de Haruhi, Madoka é a personagem sobre a qual a história gira sem que ela seja a heroína, devemos levar em consideração alguns detalhes:

Primeiro - ainda que, levando em conta a idéia global da trama a influência de Homura seja muito maior do que vemos desde o princípio, foi desta forma que nos foi contado. Conseguem compreender a diferença? Parte do que determina o domínio de um personagem em uma história é o foco da narração (neste caso audio visual). Afinal, mudando o foco podemos transformar qualquer um em personagem principal dos mesmos fatos

(Meio obscuro, mas tentando exemplificar, é só notar o papel muito mais relevante que Mami e Kyouko tem no mangá Mahou Shoujo Oriko Magica, em decrescimento dos papéis de Homura e, principalmente, Madoka, ainda que aquele arco de eventos seja uma pequena parte da trama da série principal da franquia).

Outro detalhe é notarmos novamente o conceito de protagonista - é alguém que cresce e muda com o passar a trama. Sim, não há como negar toda a transformação que a vida de Homura tem no decorrer dos fatos (ainda que isso só seja para nós narrado muito à frente), mas. . . MAS não há também como negar o desenvolvimento e crescimento da própria Kaname Madoka. Ainda que ela tenha sido um "agente passivo" (sem conotações, por favor) em grande parte da trama ela sim teve um desenvolvimento evidente, tanto levando em conta a ordem de narrativa quanto a ordem de acontecimentos (é sempre tão anacrônico entrar em detalhes sobre Madoka Magica).

O fatídico momento em que, nos episódios finais, Madoka toma sua decisão final e parte para o seu destino escolhido demonstram com uma clareza tremenda o quanto ela evoluíu desde o começo, tanto por si mesma, quanto por tudo o que Homura lhe fez "viver" durante sua luta desesperada.

Então o que dizer? Particularmente dou minha opinião que em Mahou Shoujo Madoka Magica temos CO-PROTAGONISTAS ("ah, Mazaki, que trapaça! Não tinha essa opção antes!"), devido a todos os elementos de peso "a favor" de Homura quanto os conceitos que não podemos ignorar e não nos deixa roubar de Madoka seu posto de núcleo principal e heróico da trama. Na verdade se eu começar a filosofar aqui irei começar a dizer que na verdade as duas personagens são um só elemento e bla-bla-bla, vamos encerrar por aqui que já ficou bem grande o texto!

Fechando...

Alguém mais cansado de tanto papo furado?

Bom, existem ainda diversos exemplos que demonstram as diferenças sutis entre esses elementos que compõe uma narrativa a serem observados no mundo da animação e também do mangá, aliás este é um exercício bem divertido de se fazer. Acho que acabei me empolgando com o tema, por ser de um assunto que muito a mim interessa, mas espero realmente ter trazido alguma informação de interesse.

Fui!

Comentários

  1. Primeiro. Eu nãoa chei o texto longo, seja em proporções ou em fluência. Na verdade, quandp cheguei ao final fiquei pensando: "ela não disse que seria longo?!?! o.O" heheh

    Excelente abordagem, mesmo! Algumas obras têm esse "dom" de nos fazer pensar sobre quem ou o quê realmente elas tratam. E esse seu texto vem bem a calhar para chamar a atenção do público!

    Apesar de uma temática meio incomum no meio "bloguístico", espero que ele seja aproveitado de forma adequada, além da forma que merece!

    Parabens!

    ResponderExcluir
  2. Na verdade, em Madoka Magica, eu acho que há quatro momentos diferentes.

    1- No início, Madoka é protagonista, pq a história é em volta dela, e também personagem principal, por que ela é quem mais "chama a atenção" (que nem o exemplo da Haruhi)

    2- Mais para a metade da série, a Madoka (pra mim) é a protagonista, por que a história ainda está em volta dela, mas a Homura já está se tornando personagem principal, tanto que começamos a torcer mais por ela (por ela proteger a Madoka)

    3- No passado da Homura, a mesma é protagonista E personagem principal, pelas mesmas razões da Madoka no início (pq esse sim é o real início. é como se fosse o começo de uma nova série). Nessa fase, vemos a evolução da Homura (incluso na definição de protagonista)

    4- No final, onde AMBAS são protagonistas, personagens principais, e principalmente heroínas, pois torcemos mais que tudo por um final (improvável na época) feliz. E nesse tempo, vemos a maior evolução da Madoka, e o final da evolução da Homura, após o ato da Madoka.

    Bom, por fim, parabéns pela ótima postagem! \o/

    ResponderExcluir
  3. Waaah, estou um pouco receosa de postar minha opinião, mas vamos lá D: Vou expor a forma como eu aprendi na escola e que acredito ser o correto...

    No caso da Homura,no inicio da narrativa vejo ela como antagonista . De antagonista ela passa para co-protagonista. E pra mim não faz sentido o personagem principal, não ser o protagonista, ao meu ver é a mesma coisa. Assim eu vejo o Kyon, como protagonista e personagem principal da história, pois os eventos giram em torno dele. Haruhi é a personagem titulo e co-protagonista da história.

    Em Madoka Magica, Kyoko e Mami são responsáveis por complementar a história, papel das personagens secundarias (que alternam de importância de uma outra pra outra).

    Voltando nas protagonistas, são elas que encabeçam a história, sustentam e são o eixo de todos os fatos da narrativa.

    Então ficaria assim: Nem sempre o herói é o principal. Mas é comum o termo heroínas e heróis pra definir os protagonistas. Protagonista e personagem principal são a mesma coisa e nem sempre o personagem titulo é o principal da trama, caso da Haruhi.

    O John August pode ter essa visão, mas não acho que esteja certa e depois, nem sempre o protagonista em termos narrativo segue o padrão pre-estabelecido. Ao menos em qualquer cursinho pre-vestibular, essa regra não se aplica. Como está lá, aquela é apenas a definição dele. Se eu estiver redondamente errada nesse meu ponto de vista, vou queimar meus livros :O E como não posso exemplificar melhor através deles, vou deixar esse link: http://www.brasilescola.com/redacao/narracao.htm

    ResponderExcluir
  4. ***Em Madoka Magica, Kyoko e Mami são responsáveis por complementar a história, papel das personagens secundarias (que alternam de importância de uma outra pra outra). ***

    Correção ( que alternam de importância de uma história pra outra).

    ResponderExcluir
  5. Eu já estava meio confuso, mas a Se-chan e Roberta me confundiram de vez XD.
    Então, deixe-me pegar um exemplo diferente, só para ver se eu entendi. Em Death Note, o Light é protagonista, personagem principal e vilão, enquanto que o L é antagonista e herói. É isso?

    ResponderExcluir
  6. Continuo reforçando a diferença entre protagonista e personagem principal, pelo fato de que o personagem principal ser aquele sobre o qual a trama "gira em torno", por isso que, quando existe um personagem título ele é o personagem principal.

    E como assim a Haruhi não é o personagem principal? Tudo acontece por causa dela.... E acho que você não entendeu realmente o que quiz dizer quanto a Mami e Kyouko, fazer o que.

    Enfim, não vi nada no seu ponto de vista que contradiga o que eu expus

    Lucas

    Realmente é meio complicado, talvez eu me sinta mais avontage e flexível com o assunto por lidar com este de modo mais pŕatico. Quanto a Death Note... bom, acho que definir o L como herói é arriscado, apesar de a maioria de nós quando lê a história torcer por ele.

    ResponderExcluir
  7. realmente uma discussão bastante complexa, acho q vou ler mais umas duas vezes pra entender um pouco melhor!!!!! mas acho q o ponto da mazaki é bastante convincente. cabe a analise de cada personagem ser bem feita pra colocar ele em alguma categoria.

    ResponderExcluir
  8. Eu achei o texto muito estranho por você tentar passar opiniões e interpretações como fato, o que tirou o mérito do texto.

    Nada do que está escrito esta errado, mas é apenas uma interpretação dependendo da sua visão sobre a obra.

    Então vamos a alguns fatos:

    - Protagonista e Personagem principal são sinônimos. Ou seja, pode ser usado para representar a mesma coisa.

    - Não vou falar nada sobre Herói porque o seu texto não anuncia nenhum fato sobre isso e apresenta uma interpretação válida.

    - O protagonista não precisa mudar durante a obra. Ele apenas precisa ser o foco da ação do texto.

    O que isso muda? Nada.
    O texto original "What's the difference between hero main character and protagonist" apenas apresenta uma forma mais aprofundada de visualizar uma obra.

    Na verdade muda uma coisa, está completamente correto dizer que Kyon é o protagonista e personagem principal da obra Suzumiya Haruhi. Na verdade isso é redundante.

    Ah e mais uma coisa, vejo que você usa "estória" para representar uma história fictícia, apesar de não estar errado não é considerado norma culta e sim linguagem coloquial então cuidado para não pegar vício e escrever em textos sérios. Vai que alguém escreve numa tese de mestrado de português?

    ResponderExcluir
  9. @Saishy

    Dentro do meu objetivo, que é, de fato, apresentar a minha interpretação de algo subjetivo com a intenção de estimular os leitores a refletir e/ou opinar (concordar, discordar, diminuir, xingar ou enfim). E posso te dizer que nisso estou sendo bem sucedida, pois aparecem sempre diversas opiniões bem distintas.

    Se passe a ideia de que são fatos absolutos saiba que não era minha intenção. Talvez eu deva tomar mais cuidado com o tom que meus textos possam passar ^^ (ou talvez eu possa fazer um grande e multicolorido aviso, para evitar alguns problemas)

    E sobre o "estória", realmente não está errado (afinal porque story pode e estória não? hehe), é um hábito que estou tentando tirar da minha escrita, mas às vezes esqueço.

    Obrigada pelo comentário

    ResponderExcluir
  10. Acho que, primeiramente, temos de estar cientes de que nada do que o homem criou está escrito em pedra; definições dos elementos de uma obra, gramática, ortografia, etc. foram todos concebidos de forma a se ter regras que facilitem a vida de todos, mas essas regras não estão isentas de contestação, nem muito menos verdades divinas.

    Sendo assim, a forma de definir certos personagens de uma história criada pelo John August é, acredito, uma de muitas. Quem acha que a proposta dele faz sentido, a segue; quem não acha, escolhe outra ou cria sua própria. Isso me lembra as diferentes linhas da psicologia, que é o que estudo: a pessoa escolhe seguir a linha com a qual mais se identifica, dependendo de suas crenças pessoais. Pode ser a psicanálise, Gestalt-terapia, TCC, existencial-humanista, entre outras. Nenhuma é a mais correta ou a mais eficaz.

    Eu, particularmente, acho essa visão do August muito interessante. Às vezes é difícil, porém, identificar o protagonista, o personagem principal e o herói. Há histórias tão complicadas que as funções dos personagens se misturam demais e mudam demais conforme ela avança. Por acaso eu tenho assistido a Durarara!! esses dias e estava justamente me perguntando isso: "Quem é o protagonista, afinal? O Mikado ou a Celty?" E, partindo da teoria do August na qual há uma diferença entre protagonista e personagem principal, acho que sanei a dúvida: o Mikado é o protagonista, e a Celty é a personagem principal (e também a personagem-título, de certa forma, porque "Durarara!!" vem de "dullahan", que é o ser que ela é.

    E quanto a "história" e "estória", eu gostaria muito que "estória" fosse aceita. Existem linguistas que a defendem, mas a maioria a rejeita. Então, fazer o quê? Pra ninguém ficar colocando o dedo na minha cara dizendo que não escrevo direito, uso o que pelo menos sei que é o mais bem aceito, "história". Novamente, isso é uma coisa que não está escrita em pedra. "Estória" não é errado simplesmente porque é; só é porque alguém decidiu que é, e esse alguém é um humano tão falho quanto todos nós.

    ResponderExcluir
  11. Nossa Lilian Show de Bola a sua postagem!
    Eu gostei da sua abordagem sobre protagonista e afins e adorei a forma que vc desenvolveu a sua tése. Continue brindando a todos os leitores do seu blog com as suas idéias mirabolantes. Estou aguardando os seus próximos trabalhos!

    ResponderExcluir
  12. oeoe (:
    bem galera venho aqui para agradecer ao autor do tópico pelo excelente, digo, excelente conteúdo postado aqui, não só falando no meio anime como no meio da língua portuguesa, realmente soube olhar para todos os pontos de um personagem em torno do cronologia (coisa que passa despercebida para muitas pessoas. Prova disso foi o seminário que aconteceu em minha escola, onde todos os alunos não se envolveu em perssonagem/linha de tempo, generalizando por total!.
    e tive uma bom resultado depois de ver esse topic haha!. Agradeço por tudo ;)
    fiquem com Deus!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…