Pular para o conteúdo principal

Seu otaku preconceituoso!


Preconceito. Um tema delicado e difícil de falar, afinal todas as pessoas adoram falar do preconceito dos outros e não admitir o seu próprio. Como gosto de botar o dedo na ferida de analisar um pouco as coisas que acontecem nesse dia a dia tão corrido, acabei chegando a uma conclusão interessante.

Otaku é muito, mas muito, preconceituoso. Óbvio ne?

Se o grupo generalizado através do termo "otaku" (reunir um bando de gente diferente num mesmo rótulo é problema) sofre inúmeros preconceitos da sociedade externa a sua cultura própria, infelizmente a mesma coisa acontece dentro do próprio nicho.

O fandom é composto ainda, e provavelmente sempre será, em sua maioria por barbados que curtem os mangás feitos para eles quando tinham dez anos a menos (sim! One Piece não é pra você, seu universitário que se acha inteligente por não seguir a cultura de massa do SEU país). Ainda que o shoujo tenha ganhado e fixado seu espaço graças a chegada das consumidoras femininas em grande quantidade, isso não faz a mínima diferença quando se trata da hierárquia inútil e infantil que existe entre os otakus.

E vou explicar isso em frases curtas para ficar mais simples, reproduzindo coisas que todos já ouviram (ou disseram por aí):

"Yaoi? Isso é coisa de garota gorda que não pega ninguém!"

"Slice of Life é uma droga, não acontece nada!"

"Pra gostar de Toriko tem que ser muito retardado...." (adoro dizer esta!)

"Kimi ni Todoke? Que coisa fresca" (acho que estou pegando só minhas próprias falas ein)

"Yuri? Ah, adoro pegação de peitudas".

"Você não gosta de Evangelion?!?! Morra seu otaku porcaria!"


Como enfatizado nos exemplos, cada tipo de público dentro desse tão diversificado nicho tem seu preconceito próprio. Seja contra moe, shonen, K-On!, Toriko, todos torcem o nariz e desprezam opiniões baseando-se nos seus preceitos e gostos. Afinal quem disse que gostar de Kodomo no Jikan te torna um verme pervertido? (Apesar de que eu ainda acho isso....).

Sim, você que se acha tão culto, mente aberta, esperto e meio nerd - é só ser um pouco auto-crítico e logo irá perceber como você também tem preconceitos pesados e muitas vezes bobos com gêneros, ou determinada história, ou tipo de pessoa.

"Mas Mazaki, você vive falando bem disso e mal daquilo! Como pode vir criticar agora?!"

Sim, eu sei disso. NÓS somos TODOS assim.

Satisfeitos?

Comentários

  1. Que postagem preconceituosa.

    Claro que tem os trolls de sempre, sempre vão existir os trolls, modistas e o que for, mas para evitá-los basta evitar as más companhias.
    O tal do "Fandom" que tanto falam hoje tem um excelente nível, venho descobrindo a cada dia. O problema é vocês que pagam de poser, só dando seus pitacos. Hoje, com as redes sociais, ficou muito mais fácil trocar ideias e simplesmente conversar. Depois que você para para conversar com uma pessoa percebe o quanto ela é diferente do que você imaginava, e não é tão preconceituosa assim, nos casos em que "são".

    Todos que conheço no Fandom hoje, eu incluso, não tem preconceitos, eles tem CONCEITOS formados, OPINIÕES.
    Muito fácil você olhar o que alguém escreveu, ou criticou, e pintar essa pessoa de preconceituoso ou hater. Leia, pense no que você leu, converse com essa pessoa, troquem ideias. Verá que esse tal de preconceito hoje é mais lenda do que a realidade.
    Como disse, sempre vão existir trollagens de gente querendo aparecer ou irritar, mas não, os tempos mudaram.
    Apesar de que, tem muita coisa produzida no "Japan Superior" que merece sim ser malhado com todas as forças. Fica ai a verdade.

    ResponderExcluir
  2. Não acho que seja uma postagem preconceituosa, Panina. Se trata de uma crítica super válida, ao qual nem a Mazaki se poupou. É verdade sim, que existe esse PRÉ-CONCEITO. E eu acho bem natural, guardada as devidas proporções. Claro que, seria extremamente irresponsável, vir num blog e defecar um monte de coisas que as vezes nem faz sentido, defecando ignorância. Mas, sendo algo embasado em seu gosto pessoal, não vejo nada demais. A caça ao monstro do moe é um bom exemplo, de algo que causa muita repugnância. Conceito e pré-conceito estão mais ligados que você imagina. Veja só, que fiz um tópico assim no forum que eu participo e ele bombou. Surpreendentemente, as pessoas começaram a falar dos seus "preconceitos" animísticos e o motivo para tal. Normal, assim sempre será. Desde que não saia disto, chegando a ofender a pessoa que curte tal titulo (o que também acontece muito, principalmente como motivo de chacota)

    ResponderExcluir
  3. Trolls, trolls everywhere.
    No exceptions.

    ResponderExcluir
  4. Adorei a postagem, apesar de que ela não agrega muito, pois bem ou mal todo mudo que não tiver problema para entender este texto realmente já deve ter aceitado seus preconceitos, acredito que o preconceito em si não é o problema, mas quando se utiliza este preconceito para diminuir os outros isso se torna um problema. Ter preconceito com coisa A ou B não lhe faz melhor do que quem gosta daquilo, apenas é uma aceitação de que não gosta destas coisas. Acho que o que cada um de nós deve exercitar o ato de encarar o ponto de vista contrário o seu como algo bom, para isso podemos utilizar a idéia de que você pertence a uma sociedade secreta que mantém o ponto de vista correto e que tem que manter a convivência com os demais para manter este segredo, isso torna o fato de pertencer a um grupo exclusivo algo que aumenta sua auto-estima.
    Só tem um problema, não seja blogueiro, porque todo o lado bom de excluir os outros se torna seu rival e será exposto a você em forma de Trolls.

    ResponderExcluir
  5. Como diz de inicio do post da Mazaki: “Seu otaku preconceituoso” o pré-conceito inevitavelmente está enraizado em nossa sociedade desde as menores crianças até adultos de grande formação acadêmica.
    Uma coisa é certa nossa sociedade está tentada pelo que a mim parece retirar e expurgar o medo do desconhecido e tudo aquilo que contraria o que a educação familiar, escolar e do circulo de amizades nos fizeram ver: Aquilo que rejeitamos todos deve senão você é abominável. Por tanto o universo otaku infelizmente sofre da mesma forma que todas as diversas tribos, grupos, etc.
    Nós como otakus e nerds ou não devemos lembrar-nos de nós policiarmos sempre.

    ResponderExcluir
  6. Minha opinião se alinha com a da Panina.
    Preconceito não se justifica, opinião embasada sim, ainda que ela venha para afirmar uma opinião pessoal e subjetiva.

    Sou muito crítico com moe, por exemplo, mas considero K-on! uma série honesta e divertida (pelo menos os poucos episódios que vi).

    Critico Ore Imuto fortemente, no entanto. Apenas por ser moe? Não, do contrário criticaria k-on igualmente. Acontece que consigo enxergar em K-on! substância que não enxergo em Ore Imouto, e isso vai além de minha opinião pessoal sobre o moe.

    ResponderExcluir
  7. Olá, aqui é o animeoishii :D, que nessas férias volta com força total ;D, estamos tendo uma promo concorrendo à um mangá no blog! Confira! E eu concordo sim! Afinal dentre o proprio meio otaku sofremos preconceito! A garota que gosta de yaoi, é a exclúida feia que não pega ninguém, se você gosta de naruto, é poser porque só assiste pq faz sucesso, e entre outras coisas! Isso me irrita, porque pra mim otaku é alguém que gosta da cultura oriental sem julgar os outros! *uffs*

    ResponderExcluir
  8. Já percebi isso... Eu tenho um pouco de preconceito com hentai e o pessoal que menciona isso perto de mim... mas fazer o quê? Hormônios não deixam ninguém em paz. Uma coisa que já não aturo mais é Naruto DX Quando eu digo que não está bom, é porque a história tá enrolando muito... (Mais que a época dos fillers) Gosto ainda das músicas e das situações engraçadas, mas a partir de um certo ponto... (um pouco depois da batalha contra o Sasori) ficou muito lento o rítmo, tanto que o mangá tá muito mais à frente. Depois acaba tudo na mesma coisa, passa epis e epis só pra chegar no local e ter uma batalha só 1 ou 2 epis! E depois que Naruto virou "modinha" não gostei mais porque depois que se passa na TV aberta... a sociedade encara como se fosse algo infantil.
    Como assim virar um verme pervetido depois de ver Kodomo no Jikan?! EU VI AQUILO SIM!!
    Uma prova de como os otakus são preconceituosos com os outros é o Pokémon. Pokémon foi um anime da minha infância! Eu nem sabia XD mas depois de um tempo começou a ir num rítmo parecido com Naruto (mais rápido só que infantil demais) e eu comecei a rejeitar isso... Mas eu ouvi falar que o mangá baseado nos jogos (coisa que o anime não é) eu fui ler. O traço é realmente meio infantil, mas o enredo é mais leal aos jogos e dá uma impressão diferente que o anime passa.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…