Pular para o conteúdo principal

[Mangá Review] Hetalia Axis Powers vol01 - Editora NewPop

Olá pessoal! Hoje estou vindo comentar sobre algo que eu pensava que jamais poderia comentar novamente - um mangá! Sim, já fazia quase 1 ano desde minha última aquisição de um título (compra essa que nem mereceu comentário por aqui), mas por diversos motivos acabei gastando uma boa grana (R$20,00 não é mole!) para adquirir meu primeiro título da Editora NewPop: Hetalia Axis Powers volume 01.



Confesso que após comentários iniciais de outras pessoas que compraram este mangá eu pesquisei e li quase 2 volumes em inglês, então já tinha uma boa noção do que viria. Porém ainda assim quiz ver como a dinâmica do yonkoma funcionaria ali, no papel. (Falar em yonkoma para mim é lembrar das tiras que vinham nos fins dos volumes brasileiros de Gundam Wing, alguém lembra?). Ao abrir o volume, entretando, não foi somente o estilo de narração que me surpreendeu.

Foi a qualidade total do material.

Ok, quando você compra um volume pelo preço deste com certeza é de se esperar que seja algo de qualidade, mas convenhamos que é surpreendente quando se está tristemente acostumado a "meio-tankobons" por quase metade deste preço cujas páginas dá para enxergar através. Sim, eu fui completamente surpreendida pela qualidade da impressão de Hetalia. Já tinha lido antes Metrópolis, porém acredito que o estilo de desenho, com muitas coisas literalmente feitas "rabiscadas" em contraste com outras ilustrações mais bem delineadas tornou a qualidade ainda mais evidente.

Seria uma nota máxima se não fosse o problema de resolução presentes nas páginas 113 à 118. Infelizmente ali aconteceu alguma coisa, pois é possível ver a pixelização evidente das imagens. Uma pena, mas fora isto eu achei tudo PERFEITO.

Mas acredito que outro quesito foi que me conquistou por completo: a tradução.

Nada de "abrasileiramento" forçado, nada de expressões japonesas em excesso. A tradução se mostrou cuidadosa, tentando preservar em algumas nuances as características de fala de cada um dos personagens - como a exemplo do protagonista, Itália, que manteve seu 'pasta' enquanto os outros personagens se referem a 'massa'. Também estão presentes outras pequenas expressões específicas de cada personagem, tudo com legendas explicativas que também não atrapalham em nada a leitura.

Ponto para NewPop que me consquistou de vez-aru.

Ok, bastante puxação de saco (tsc tsc), mas é a história em si?

Eu sou suspeita para falar de comédias de antropomorfismo, pois eu mesma tenho uma pequena (e amada) obra na minha gaveta com essa idéia e desde meus 14 anos desenho pequenos quadrinhos para mostrar aos amigos com essa temática (apesar de não ter países como personagens). Quando vi uma nação ser chamada de covarde usando um personagem bobo e "moe masculino", não tive como não dar muitas risadas. Ainda que a obra seja bem "suave" existem sim críticas evidentes, o que faz o mangá e anime não serem de gosto geral, principalmente em alguns países que são retratados de forma bem caricata na série. 

E confesso que não consigo imaginar, nem que seja por um minutinho, todas essas brigas internacionais atuais no modelo Hetalia, com um "America-san" repetindo sem parar "Eu sou o héroi!".

Bishonen demais, meio shounen-ai demais, ridículo demais? E daí, o que importa é que tem gente que se diverte!

Conclusão

Quando saí o volume 2 ein? ;D

Comentários

  1. Também ficou surpresa com a qualidade?

    Pois então, estranhei os desenhos pixelados, mas descobri que eles são culpa do próprio original que foi feito como tirinha para web em baixa qualidade.
    A única maneira de esconder, imagino que seria diminuir o tamanho dos quadrinhos, mas assim também ficaria ilegível.

    ResponderExcluir
  2. Eu imaginei que esse poderia ser o motivo da pixelização dessas páginas, uma peninha, afinal no conjunto a qualidade é divina!heheheh

    ResponderExcluir
  3. Oii,animeoishii dando uma passadinha nos seus parceiros :33, tudo bom?
    bom, eu não sei como julgar este mangá,nunca tive oportunidade de ler,mas eu estranhei os desenhos pixelados também x-x,sei lá,pareçe 'ñ,mangá' x-x

    ResponderExcluir
  4. AMEI O MANGÁ DE HETALIA TAMBÉM!!!
    Eu acompanho o anime e espero o mangá como uma louca.

    No caso das páginas de baixa qualidade realmente foi por causa da resolução usada pelo autor. Elas são de baixa resolução mesmo.

    ResponderExcluir
  5. Depois de ver Hetalia pela primeira vez você não consegue mais encarar brigas internacionais/copa do mundo/olimpíadas da mesma forma (é um efeito normal que acontece com todos que leem o mangá)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…