Pular para o conteúdo principal

[OP-ED Review] Yumekui Merry

Olá pessoal! Finalmente estamos começando o tão aguardado (por mim) OP-ED Review! Este novo formato de postagem tem como objetivo trazer detalhes e opiniões sobre as anime songs dos animes mais recentes. Isso porque, além de eu ser muito mais amante de anime songs do que dos próprios animes em si, acredito que tem muita gente por aí que chega a ter sua opinião sobre um anime levando em conta as suas músicas.

Estive pensando até em fazer uns "OP-ED Review" de animes mais antigos e de grande impacto(ou não), mas isto é algo a se pensar para o futuro. Por hora, vamos começar com uma estréia desta temporada atual (Winter 2011): Yumekui Merry, produzido pela J.C. Staff.



Começando pela openning, "Daydream Syndrome" com vocal de Marina Fujiwara. Esta música tem uma guitarra bem marcante , o que aliás faz este anime já contar com vários covers do instrumento nos sites de broadcast. Particularmente ao ver esta abertura acreditei que o anime teria um ritmo mais voltado para ação e que a Merry (que é a personagem que aparece mais em destaque no vídeo) seria daquele estilo mais durona e independente. A produção de arte do vídeo está bem elaborada e contribui bastante para passar esse clima de mais ação e elementos fora do comum.

Sem comentar nada sobre enredo ou impressões, aqui está o vídeo:


Avaliação pessoal: 8.0

Como esse é um dos poucos animes que já de fato assisti mais de um episódio nesta temporada, posso dar minha leve impressão sobre tal. Claro que, se você procura reviews mais apurados sobre esses animes existem outros blogs melhores que o meu para tal, como o Gyabbo, MBB Anikenkai e Mithril. Por aqui quem fala é uma escritora independente que não consegue ter o mesmo tipo de opinião que os outros blogueiros mais especializados nisto.

Enfim, até agora o anime realmente mostrou-se ao meu ver abaixo do que sua openning mostrava. Merry é muito mais frágil do que aparentou a princípio, não que isso seja ruim, porém o seu jeito de ir às lágrimas chega a ser meio inesperado e quase forçado. Yumeji, o realmente protagonista da série, tem uma personalidade comum e sem traços que realmente marquem. Além disso a trama se contou muito estranhamente no primeiro episódio. Poderia ter sido bem melhor ne.

Ending

A música se chama "Dreams and hopes and Me of Tomorrow" e tem nos vocais Ayane Sakura, a seyuu da própria Merry. Como música devo dizer que é bem comum e agradável, apesar de não marcar muito(pelo menos nas primeiras cinco vezes que escutei não me marcou). Até agora a Ayane Sakura tem mostrado um tipo de interpretação bem padrão, também sem demonstrar características próprias. 

Resumindo, a música é até agradável, mas acho que não se destaca em nenhum quesito. Idem o vídeo.


Avaliação pessoal: 6,0

Para concluir devo dizer que comecei a assistir este anime graças à openning. Até agora a série ainda não correspondeu minha espectativas e talvez nem vá, por tanto fica a critério quem quizer assisti-lo ou não. Mas em relação à música, Daydream Syndrome é um grande destaque da temporada, por enquanto, na minha opinião =)

Até o próximo OP-ED Review ;D

Comentários

  1. Quando eu vi o título pensei: "OP-ED Review!? ._.", mas ficou ficou legal me surpreendi.

    A abertura ficou boa mesmo, foi o que mais me animou no começo, porque as primeiras cenas foram tristes, só curti o primeiro episódio no finalzinho.

    Acho que o Yumeji vai perder espaço aos poucos e vai dar mais cenas para a Merry. E ela deve ser uma guerreira por adaptação, não de nascença. Talvez isso explique sua fragilidade interna.

    O encerramento ganhou uma música bem suave, acho que foi ela que me motivou a assistir mais episódios, acho que houve uma mistura de muitos fatores que me fizeram ter fé neste animê, acho que ele vai ficar bom depois de alguns episódios. Melhor assim do que começar bem e terminar uma ...
    O que mais valeu a pena no vídeo de encerramento foi a barriguinha sexy da Merry! xD

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…