Pular para o conteúdo principal

[OP-ED Review] Fractale

Olá a todos! Mais uma vez aqui com um OP-ED Review, a única série de postagens sobre as novas anime songs dos novos animes da temporada (ao invés de ser sobre os próprios animes) que você irá encontrar 'made in Brazil'! Hoje estou particularmente empolgada porque vamos falar da série que mais está me animando nesta temporada: Fractale.



Produzido pelo A-1 Pictures Inc., Fractale trata-se de uma obra em certos termos original, pois o primeiro mangá começou a ser publicado em setembro na Gangan Online, da Square Enix, contando atualmente com um volume completo. Aqui vemos mais uma vez o estúdio vindo com uma ficção científica em uma realidade bem afastada da nossa (no mínimo é bem após o início do século 22) falando de um mundo com a estrutura bem diferente da que conhecemos, començando pelo fatos das pessoas não mais necessitarem conviver umas com as outras, usando avatares (chamados doppels) quando necessário.

Olhando para o lado técnico e as características por detrás de Fractale, percebemos claramente sua influência de um trabalho anterior da A-1 que muito foi discutido no ano de 2010. Porém antes de mais nada vamos falar da parte "mais divertida" - as músicas!!

Opening - Harinezumi by Hitomi Azuma

A primeira coisa que se pensa ao assistir o vídeo de abertura no primeiro episódio de Fractale é algo como "Realmente, uma sequência feitar por fractais vem bem a calhar com o nome do anime" e é realmente isto. Porém visualmente esta sequência pode soar muito estranha e incômoda, afinal é algo realmente muito raro uma opening que não traga sequer uma imagem de algum personagem (isso sem contar que 5 em 10 animes tem tendido ao modelo genérico de nome + personagem + cenas do personagem). 

Quanto a música, bom, é complicado ficar comentando se uma música é boa ou não, afinal isso é puramente subjetivo, mas digo que o estilo musical encaixa bem no que se apresenta, ainda que não tenha sido (para mim) tão cativante.

Add: desculpem a qualidade do áudio deste, está sinceramente difícil encontrar vídeos que não sejam tirados do ar, mesmo sendo de divulgação.


Avaliação pessoal: 7,0

Ending - Down by the Salley Gardens by Hitomi Azuma

Observando rapidamente esta pode ficar marcada como uma música tranquila bem genérica, porém peço que observe um pouco mais. "Down by the Salley Gardens" é bem diferente das anime songs normalmente presentes no mercado, isto porque é uma composição não-japonesa e bem antiga. Foi composta em 1889 por Willian Butler Yeats e teve esta versão cantanda pela Hitomi para Fractale. A letra e melodia são realmente suaves e romanticas de modo bem lírico. Realmente um tédio para alguns, mas aos que valorizam detalhes, logo a canção ganha destaque.

Além disso o vídeo somente contribui para os atributos dá própria canção e para o clima que o ambiente de Fractale deseja construir.


Avaliação pessoal: 8,2

Ok, mas afinal o que tem a dizer sobre a série?

É difícil comentar algo sobre Fractale tendo assistido somente o primeiro episódio até esta postagem, mas fica evidente o quanto a trama tem um enorme potencial para ser uma obra diferente e de destaque neste ano de 2011. Porém aqui também entra o perigo, pois seu antecessor natural também tinha tudo isso antes de se tornar um desastre.

E se você ainda não sabe de que obra estou falando vamos dizer que foi tão natural reconhecer, tendo assistido a obra anterior, todos os pontos em comum que foi exatamente por isto que fiquei levemente apreensiva.

Trama original, futuro afastado, trabalho sonoro diferente e tendendo a algo cinematográfico, um ambiente bem diferente do cotidiano e com grandes espaços abertos e naturais, A-1 Pictures, Yuu Kobayashi como seyuu. Todos esses elementos remetem à temporada Winter de 2010, quando Sora no Woto era o destaque de curiosidade e comentários. 

Para quem não conhece, e para quem conhece, Sora no Woto foi o anime de estréia do bloco "Anime no Chikara" e trouxe uma qualidade principalmente de ambiente e musical primorosas. Porém todo o trabalho das equipes dessas áreas ficou eternamente obscurecido pela forma terrível com a qual o roteiro e o desenvolvimento dos personagens rasos teve. Um verdadeiro desastre de roteiro, recomendado a quem aprecia a criação ficcional e queira um exemplo bem completo de "como estragar sua obra que tinha tudo para dar certo".

Bem, não me prenderei mais fazendo os paralelos entre Sora no Woto e Fractale, apesar de com muita felicidade estar notando que, por enquanto, Fractale está conseguindo acertar onde seu antecessor pecou. Ainda escreverei, como 'contadora de histórias', um texto sobre SnW para relatar todos os pontos bons e ruins desta trama, o que não cabe neste momento.

Enfim, pessoalmente recomendo Fractale a todos, a promessa da temporada. E quanto as músicas, posso dizer que apesar de ainda não terem marcado, o Ending tem tudo para ficar lembrado (pessoalmente eu já me pego cantarolando pelas ruas).

Até o próximo OP-ED Review!

Comentários

  1. Waahh, que legal essas suas postagens sobre OP e ED. Realmente é a unica que faz por esssa bandas e faz muito bem. Tanto openings quanto endings são partes muito importantes do anime e as vezes marcam bem mais que os proprios.

    ResponderExcluir
  2. Poxa, Roberta, muito obrigada pelas palavras, me incentiva um bocado XD

    Afinal, sendo uma tentativa de algo novo, sempre dá aquele medinho de não dar certo =3

    Mas que bom que tem mais gente que concorda com a importância das anime songs \o/

    ResponderExcluir
  3. A abertura foi o que mais gostei na série até agora, um visual diferente do padrão, uma música com a melodia fantasiosa que eu adoro e uma letra interessante, pensei até ser do grupo "See-Saw" da primeira vez que escutei. O encerramento não me agradou muito, repetição básica de imagens e uma música normal.
    A história tem potencial, mesmo com personagens meio "sem-graça-nenhuma", cenários muito bonitos e trilha sonora interessante. ^^

    ResponderExcluir
  4. Muito legal este seu post, ainda não assisti o anime mas vou conferir pra ver se me agrada.
    Agora achei engraçado o fato do meu anime favorito ser Tenchi Muyo, ser geek/nerd da TI, e nas horas vagas desenvolvo em java :) coincidencias... o_O
    Aproveitando, conhece algum projeto java que precisa de ajuda?

    ResponderExcluir
  5. @thim , cê pode me adicionar pelo twitter para trocarmos idéias sobre TI e Java =) meu endereço é http://twitter.com/LKMazaki

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…