Pular para o conteúdo principal

Fãs cada vez menos fãs

Atualmente o acesso a multimídia e a quantidade enorme de conteúdo sendo distribuído, vendido, alugado, emprestado e afins em todos os cantos do mundo físico e do virtual geraram um paradoxo: Cada vez mais pessoas tem acesso a cultura de forma cada vez mais simples, rápida e fácil, porém cada vez as pessoas valorizam menos essa cultura.

Restringindo este paradoxo para dentro do universo dos apreciadores da cultura moderna japonesa, como animes e mangás, este fato se torna bem visível. A quantidade de pessoas que tem acesso a animações, doramas, filmes e música é cada vez maior e cada um consome cada vez mais, porém isso faz com que a atenção sobre cada obra individual diminua.

O que isso significa?

Falando em animes, cada vez é menor a proporção de pessoas que acompanham uma série e realmente se dão ao prazer de se tornar um verdadeiro fã, conhecer detalhes, aprofundar-se na mensagem passada, assistir diversas vezes.

Claro que a hipótese que é mais provável é a de que é a parte que não gosta ou tem costume em se aprofundar em uma trama esteja cada vez maior, não o oposto. E a indústria da animação sabe disso, tanto que a quantidade de animes simplistas (ou também "Veja, não pense") é enorme atualmente. Afinal o importante para os produtores é a lucrabilidade, o que estas séries também tem bastante, sem contar que não necessitam de algumas mentes brilhantes. E isso não se aplica somente a animação. Mangás, doramas, novels e quaisquer meios de narração modernos tem essas mesmas características.


Será que este fenômeno está errado, é feio, nocivo? Não necessariamente, mas é preocupante. Afinal ele nos leva a perceber duas coisas: a quantidade de pessoas que prefere um envolvimento intelectual totalmente superficial com qualquer obra é enorme. Segundo, essas pessoas também não se envolvem com tramas mesmo quando são realmente bem elaboradas, construídas e apresentadas.


Será que este comportamento do mercado fará cada vez menos séries trabalhadas nestes quesitos serem produzidas?

____________________________________________________________________

Opinião: Ver muita gente assistir Tokyo Magnitude 8.0 e passar direto para o próximo anime dizendo somente "ah, bem legal", foi algo assustador.

Comentários

  1. Eu sou um dos poucos otakus então, que pode ser considerado fã de verdade Mazaki!!! \O/
    Atualmente eu só tenho assistido Full Metal Alchemist: Brotherhood e Heroman.
    E posso dizer, com todo orgulho que sou fanzasso de FMA, eita anime bão, com enredo foda e tudo mais, personagens bem construidos, etc....
    Eu acho bem melhor quando vc se foca em um ou 2 animes apenas, vc tipo...se prende mais a historia, quer saber mais sobre ela, presta mais atenção, etc....
    Bom....é isso.Um abraço do Rafa_9000!!! \O/

    ResponderExcluir
  2. é isso aew rafa \o/

    eu tbm só tô assistindo 2 animes atualmente - K-On!! e Durarara!!! *só anime com exclamação!! o.o* e sou uma verdadeira viciada em K-On! xD

    claro que conhecer várias séries é bom, mas ter algumas num cantinho especial do kokoro é tudibom tbm ^^

    ResponderExcluir
  3. Concordo em partes com o post. Acredito que o acesso fácil a tudo, por assim dizer, não é o que tem gerado o "desinteresse" pelos animes/mangás, acredito que na verdade os anime/mangás atuais que não empolgam tanto quanto os de antigamente.

    Um prova do que digo, é Naruto, que mesmo eu não gostando, vejo inúmeras pessoas que se interessam em se aprofundar na história, tiram lições dela e todo o blablabla que eu faria com Evangelion.

    Talvez eu esteja errado, até porque, também vejo animes/mangás novos que são empolgantes, mas que as pessoas realmente se interessam pouco, talvez seja pelo costume que criou com outras obras, vai entender.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom post!

    Acho que essa é a nova tendencia do mundo, trazendo para o mundo dos animes; as pessoas se preocupam cada vez menos em se aprofundar nas séries justamente pelos motivos citados a cima no post, contudo também vejo uma grande perda de qualidade nas obras hoje em dia, aonde uma ou outra realmente se destacam ou se sobressaem em meio a esse mar de diversidades.

    Você estaria interessado em uma parceria com o Falando Anime? Se possivel aguardo uma resposta lá no blog, abraço ^^

    ResponderExcluir
  5. Oi Lilian, então eu não tenho como te afirmar a parceria com o Dotaku, mas falarei com o responsavel e creio que não haverá problemas, logo te dou uma resposta concreta xD

    Vou adiconar o site lá no Falando Anime

    Matta ne

    ResponderExcluir
  6. Tem um pouco do acesso fácil. Mas sobre os animes de hoje terem perdido qualidade acho um comentário duvidoso. A maioria que diz isso se prende ao saudosismo. E convenhamos, na época que éramos crianças qualquer coisa causava admiração na gente.

    Hoje em dia, de jeito nenhum iria gostar de Cavaleiros do Zodíaco, assim como, muita gente da nossa geração não entende por que a criançada de hoje gosta do ninja laranja.

    Quanto a assistir vários animes, já fui do tipo que assistia 10 títulos por temporada. Hoje cortei a quantidade pela metade e pretendo continuar a fazer isso. No meu caso, ter um blog sobre o assunto só piora a situação, pois você fica com vontade de ver tudo, mesmo que nem te interesse. Mas estou evitando cair nessa tentação e simplesmente curtir um anime, sem ficar preso só a uma análise mais séria.

    Por fim, é uma realidade que a maioria das coisas comece a ficar simplista demais, pois além de trabalhar e cuidar da vida, hoje em dia há uma variedade muito grande de meios de se divertir e passar o tempo. Dificilmente alguém gosta de ficar apenas vendo um tipo de coisa, e por isso os animes, a música, os games e todo resto tem tentado se adaptar a essa realidade pelo menos para fisgar um consumidor.

    PS: Desculpa pelo comentário imenso, mas acho que é um assunto que pode render muito conteúdo.

    ResponderExcluir
  7. obrigada pelo comentário imenso nisishima =)

    Sobre esse negócio de saudosismo, provavelmente muitas pessoas realmente se prendem as séries antigas nesse sentido que você disse. "Ah, bom era quando eu via CDZ na manchete!", mas a pessoa não leva em conta que era uma criança e seu senso crítico não era realmente apurado.

    Mas o que eu tentei dizer foi diferente. Foi mais um tipo de comparação do tipo "Lain e Evangelion tinham coisas que a maioria dos animes de hoje em dia não tem......".

    Espero que tenha ficado claro. Meu ponto de vista é que as vezes é saudável parar e se aprofundar em uma trama, que nos faça refletir e até rever conceitos.

    (e não necessariamente uma trama profunda! Eu mesma reflito sobre a vida vendo k-on!! XDDDD)

    ResponderExcluir
  8. "Mas o que eu tentei dizer foi diferente. Foi mais um tipo de comparação do tipo "Lain e Evangelion tinham coisas que a maioria dos animes de hoje em dia não tem......".

    Nesse ponto é realmente diferente, mas não sei. O que normalmente penso é que tanto Evangelion, Lain, quanto qualquer outro anime atualmente reconhecido eram exceções mesmo em suas épocas. A diferença é que hoje temos um conhecimento maior das porcarias, algo que é meio obscuro com relação ao passado.

    Outro detalhe interessante é que é difícil dizer qual anime atual se tornará um clássico a nível de Eva e Lain futuramente. Pessoalmente vejo potencial nesse sentido para Suzumiya Haruhi e Higashi no Eden.

    Suzumiya nem preciso comentar, já Higashi ele pode parecer normal sob nosso ponto de vista, mas o enredo dele toca num ponto muito sensível no cotidiano de qualquer japonês, que é a situação política do país.

    Já penso num tópico comentado algo mais aprofundado sobre Higashi no Eden, mas por hora vou limitar a dizer que basta ver a última frase da série animada e a quantidade de primeiro-ministros que subiram ao poder japonês na última década para poder fazer um paralelo.

    "(e não necessariamente uma trama profunda! Eu mesma reflito sobre a vida vendo k-on!! XDDDD)"

    E eu já fiz isso vendo Saki XD (por incrível que pareça).

    ResponderExcluir
  9. tá ai, concordo com os argumentos. Talvez o que aconteça seja o mesmo que comentei sobre as pessoas - talvez a quantidade de obras nem tão boas é que tenha crescido muito, fazendo as obras ímpares se tornarem ainda mais raras. (Mas tentar fazer as pessoas prestarem um pouco de atenção nisso ou pelo menos pensar sobre é valido ne ;P)

    ok ok, tbm concordo com Haruhi e Higashi, apesar de ainda não ter visto o segundo. Aliás, esse seu comentário só reforçou ele na minha lista para assistir.

    ** ei, Saki é legal! Só não consigo imaginar alguém refletindo sobre ele..... tudo bem, K-On!! tbm é eskisito pra isso XD

    ResponderExcluir
  10. Concordo com relação a sermos crianças e ficarmos maravilhados com o que era nos apresentado na época, no caso Cavaleiros do Zodiaco.

    Talvez seja o caso falado a cima de que depois de muitos anos acompanhando séries, a gente acaba naturalmente ficando mais seletivo.

    Sou uma pessoa muito chata com relação a séries, e trazendo pro lados dos animes; acho que é algo natural o avanço da tecnologia nas animações e também acho que muito do que vemos ai não é nada mais do que o "normal" para o padrão de hoje em dia.

    Das últimas animações que acompanhei que me encheram os olhos foi Paprika e Yojouhan Shinwa Tenkei, nessas posso falar que houve um algo a mais em termos de tecnologia de animação.

    ResponderExcluir
  11. Ah, uma coisa Lilian, o seu blog foi adicionado lá no Dotaku ^^

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…