Pular para o conteúdo principal

Anime indicado: Lucky Star

Existe uma linha de animes que pode ser definida como "comédia nonsense normalmente de colegiais" e dentre esses anime Lucky Star tem destaque.


Lucky Star veio de um mangá em tiras de 2004, e conta a estória de quatro amigas que frequentam o colegial como todos dessa idade. Nada de eventos paranormais, nada de poderes místicos, essa comédia é simplesmente cotidiana, e ainda assim muito divertida e carismática.

Izumi Konata, Kagami Hiiragi, Tsukasa Hiiragi e Miyuki Takara são bem diferentes entre si e representam vários aspectos dos clichês de animes (e não por acaso, porque a série pode ser vista com em parte uma grande paródia de animes de colegiais).

Com inúmeras referências a animes, principalmente Suzumiya Haruhi, Lucky Star se torna um prato cheio para os otakus e isso graças a Konata, que se mostra como uma das otakus mais fanáticas e típicas que já se viu em animações.

Provavelmente um dos pontos que mais causa estranheza para os que não estão habituados a esse gênero de animes, existente dentro do shoujo, é a simples falta de trama. Sim, não há a mínima preocupação em apresentar personagens ou criar enredos para alguma coisa, simplesmente o que se vê é o dia a dia das garotas em suas situações comuns e cômicas.

Particularmente eu me choquei muito eu ver que a primeira metade do primeiro capítulo da série é ocupado por uma interminável discussão de como se deve comer alguns pratos corretamente.

Porém, ao se entrar no clima da série, cada capítulo se torna um festival de cenas para rir e rir sem parar (sim, animes de comédias são utéis, afinal a vida não foi feita pra se chorar sempre). Nos afeiçoamos a cada personagem e talvez, para os otakus de plantão, especialmente Konata, pela identificação que temos com seus hábitos peculiares.

Apesar da maneira peculiar que se conduz o anime, é impossível dizer que não a qualidade de produção, é só notar pelo colorido e trabalho nos traços "kawaiis" que se apresentam. Fora isso, na parte musical, ter temas de encerramento como Chala Head Chala (pois é, DBZ) em versão cantada em um karaoke pelas personagens, dão um ar todo especial a série.

Alias, os momentos de cosplay de Konata são hilários, com direito a Hare Hare Yukai (se você não conhece procure no youtube sobre essa coreografia sensação de Suzumiya Haruhi no Yuutsu). Isso sem citar que a própria Haruhi aparece em um comercial de refrigerante em certo capítulo.

Enfim, o que se pode dizer de Lucky Star? Primeiramente, que não se deve assistir esperando ver tramas complexas ou ação como nos shounens que se multiplicam a cada dia. Talvez também tão importante seja dizer que, quanto mais otakus você for, mais graça vai achar.

Anime indicadíssimo! Só lamento que "Mokette! Sailor Fuku"(música de OP com dança) não tenha uma coreografia tão viciante quanto Hare Hare Yukai. Mas fora isso, ao se terminar o anime a sensação de quero mais fica permanentemente no coração de quem entendeu o sentido por detrás da série sem sentido.

Comentários

  1. Não é um anime que eu indicaria facilmente, justamente por ser algo muito voltado para otakus e quem já entende um pouco mais desse mundo.

    Mas é certamente um ótimo anime! Pra mim, um dos melhores que eu já vi, me diverti demais, desde o promo video!

    Gyabbo!

    ResponderExcluir
  2. Não é um anime que eu indicaria facilmente, justamente por ser algo muito voltado para otakus e quem já entende um pouco mais desse mundo.

    Mas é certamente um ótimo anime! Pra mim, um dos melhores que eu já vi, me diverti demais, desde o promo video!

    Gyabbo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…