Pular para o conteúdo principal

Um pouquinho de cada lugar

Manaus e Rio Grande, duas cidades tão diferentes que poderiam ser chamadas de opostas. Até mesmo os ceps são opostos! (Manaus = 69000-000 Rio Grande = 96000-000, apesar de isso não ser realmente grande coisa)

Em uma, faz um calor que chegou semana passada a 42 graus, isso em meio a prédios, engarrafamentos terríveis (piorados pelas obras no trânsito visando a Copa de 2014) e muita correria. Já a outra, uma manhã de 5 graus, praças e praças sem fim, ônibus que nem precisam de numeração de tão poucas rotas. Talvez seja de se perguntar como eu pude trocar o "Corre corre da cidade grande" pela calmaria de Rio Grande, provavelmente exatamente a calma seja um dos motivos, apesar de não ser nem de longe o principal.

Hoje vou mostrar algumas das fotus que tirei (de Manaus) e tenho tirado (de Rio Grande), não são obras de arte, com certeza, eu que convivo perto de pessoas que estudam artes visuais não tenho nem coragem de brincar dizendo que produzo arte. A verdade é que sou até uma péssima fotógrafa (mas ainda bem melhor do que a minha habilidade de cameraman xD). São apenas algumas amostras da minha visão pessoal de cada cidade, dos lugares que mais frequento(ava).

Manaus



Por do sol no parque dos bilhares, emoção.


Parque dos Bilhares. Conheci muitas pessoas especiais nesse lugar.


Hino do CEFET: "O cefet, o cefet, o cefeeeeeeeetttttt~~"


Sambódromo. Nunca entrei lá, mas 'oia' a bandeira do Garantido =3



Amazonas Shopping visto de um busão. Aleatório, mas sinto falta de shoppind de verdade xD


Rio Grande




Arte nos muros de Rio Grande, adorei XD


A maioria das ruas do centro é feita de pedrinhas assim, que louco o.o


Não, é Rio Grande sim, apesar de tanta floresta xD (praça Tamandaré, centro).


Igreja bonita que eu não sei o nome /o/


Sol da tarde no porto velho. Fica mais impressionante com o reflexo na água ein?
(Esse dia tava taaauummm frio!)

Amanhã, provavelmente alguma elucidação filosófica banal que mais vai parecer uma alucinação de tão aleatória e bizarra. Mas a vida é assim, conteúdo é o que importa, seja ele parecendo meio sem sentido, mas pelo menos não sendo meio sem cultura.

Matta ne!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…