Pular para o conteúdo principal

Review: Tokyo Magnitude 8.0

Post quase atrasado, mas bem em tempo e com um ótimo tema.


Tokyo Magnitude 8.0 é o título desse anime que acaba de concluir seus 11 episódios e as opiniões se espalham rapidamente. Eu confesso que assisti todos os capítulos de ontem para hoje, mas o anime já havia despertado minha atenção desde que foi anunciado (foi a preguiça que me segurou antes). Agora, após terminado só existe uma possível conclusão: que anime sensacional e único!

Não difícil saber que a trama gira ao redor de um fictício terremoto de 8.0 na escala Richter que atinge a região de Tokyo. Mas a trama não foi apenas baseada nessa idéia, foram realizadas pesquisas e testes pelos produtores para retratar da maneira mais real o possível os efeitos e consequências se um desastre desses ocorresse realmente. Toda essa pesquisa e estudo foi feito para transmitir a maior sensação de realismo nos acontecimentos.

Diga-se de passagem que realismo é o que a obra mais impressionantemente consegue passar ao público. E não apenas com a situação, mas tão marcante também com os personagens. O drama das vítimas, os sentimentos da jovem Mirai, protagonista da série, diante da incerteza sobre toda a situação. A evolução dela durante a trama é alias um ponto alto, pois ao inicio ela era uma garota completamente exasperada e exausta da própria vida com uma família separada pela rotina, de ser criança, de qualquer coisa feliz, mas ao chegar no fim do caminho, Mirai já cresceu muito como ser humano e em seus sentimentos.

Empatia é o sentimento que Tokyo Magnitude 8.0 causa. Completa empatia, pois a angústia de Mirai se confunde com a própria angústia de quem assiste e também não sabe o que estar por vir no mundo destruído de Tokyo. Dor, medo e insegurança acompanham a jornada de Mirai e Yuuki, seu irmão mais novo, de volta para casa. Junto com eles Mari também sofre por seus próprios medos com relação a segurança da pequena filha e sua mãe, mas isso não impede a mulher de dar apoio e proteção total aos jovens que por acaso esbarra antes e depois do desastroso terremoto.

Mais um ponto que chamou demais a minha atenção foram as músicas, principalmente a de encerramento , "M/elody", que eu não consegui pular nenhuma vez, mesmo que a pressa devesse ter feito. Pessoalmente, música é o elemento que ajuda e muito a deixar a marca de um anime na minha memória, talvez seja apenas meu vicio em J-music, mas a trilha de Tokyo Magnitude 8.0 (ou Tokyo-m8) também está completamente favorável a tornar a lembrança sobre ele a de um clássico.

Fora o já citado, a animação também não desaponta. O traço não é exagerado, mas sim mais próximo do real quanto um anime pode ser, provavelmente também no intuito de gerar empatia. O visual da série não é o que mais importa nesse caso, mas com certeza não atrapalha em nada.

Concluindo, ao terminar os 11 capítulos e agora sem parar de escutar a música de encerramento, devo dizer que Tokyo Magnitude 8.0 é um clássico, talvez o anime mais impressionante dos "mais sérios". Não pense que estou virando a casaca da bandeira do Haruhismo, mas Tokyo-m8 não precisa ser comparado a Suzumiya Haruhi, pois ambos são de gêneros, públicos, idéias e objetivos bem diferentes. Na verdade sou da política que toda a obra primorosa, é primorosa em si e não tem como ser comparada a nenhuma outra também incrível.

Então hoje fica a minha indicação e "brinde" a esta obra clássica e marcante (que me fez derramar algumas lágrimas, eu admito, mas também com um sentimento tão real e comum a todos os seres humanos...). Tokyo-m8, se ainda não assistiu, assista, se já viu sabe que todos os elogios são merecidos.



Comentem, isso ajuda um blogueiro a ser feliz!

MATTA NE!

Comentários

  1. Gostei do tema abordado, vou acreditar em suas palavras e conferir o anime.

    Abrçs.

    ResponderExcluir
  2. Muito legal seu texto, e realmente Tokyo Magnitude marcou esta estação no Japão, vou conferir assimq eu tiver uma chance. O texto está bem escrito, e muito prazeiroso de se ler. Parabéns. Manter um blog com atualizações diárias é um trabalho monumental, e você o faz com muito talento.

    ResponderExcluir
  3. Tokyo Magnitude é realmente um ótimo anime, possivelmente um dos melhores que eu assisti e o melhor desse ano!

    Gyabbo! - http://gyabbo.wordpress.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…