Pular para o conteúdo principal

O Sucesso de Suzumiya Haruhi

Não, não estamos falando do título da décima light novel da série Suzumiya Haruhi, que a pouco tempo voltou a ser anunciada em produção. Com os capítulos inéditos reservados para a segunda temporada do anime da série talvez chegando ao seu fim (talvez porque depois de tudo o que já aconteceu antes e durante a exibição desse anime, nada seja impossível) essa é a hora de parar para admirar novamente, depois de anos, a febre do Haruhismo se espalhando pelo mundo.

Aqui no Brasil o tem-se percebido que muitos dos otakus que ainda não conheciam a série agora estão assistindo o novo/velho Suzumiya Haruhi no Yuutsu e se viciando facilmente, o que não surpreende quando se trata dessa bonita, porém louca e poderosa Suzumiya. O que acontece aqui no país não reflete tanto os acontecimentos no Japão quanto ao Haruhismo, pois lá a febre explodiu com força total em 2007, com a exibição dos 14 capítulos originais do anime, mas ainda assim mostra o poder que a série tem.

Para quem ainda não está familiarizado com o termo Haruhismo, cabe uma breve explicação: graças aos acontecimentos da trama de Suzumiya Haruhi surgiu uma pseudo-religião pelos fãs, onde Haruhi é o centro das atenções. Até hoje, eu, pobre otaku brasileira que conheceu a série em Janeiro desse ano apenas, me pergunto se o Haruhismo é puramente criação de fã, ou o "ponta pé escondido inicial" partiu da própria trama.

O fato é que o haruhismo se espalhou e popularizou de uma maneira quase absurda entre os otakus japoneses e esse fenômeno também atingiu o ocidente, apesar de mais fracamente. Chegou ao ponto de os mais exagerados (ou chamados "otakus 8Dv") chamarem o Haruhismo de religião oficial dos otakus. Há dezenas de milhares de vídeos no youtube com a música de Hare Hare Yukai, ED da primeira temporada do anime, e a sua famosíssima coreografia. Multidões dançando, cosplay dos personagens dançando, personagens de outros animes dançando e por ai vai.

Como diria o Kyon: "Se alguém sabe explicar isso, por favor me diga".

Na verdade não é tudo tão difícil assim de entender, afinal Suzumiya Haruhi mistura elementos poderosos como comédias, nonsense, um toque ecchi, personagens marcantes e bem diferentes entre si e uma trama muito, mas MUITO surreal. Não é difícil se aficcionar pelas desventuras de Kyon em meio a aliens, espers e viajantes do tempo.

Mistério ou realidade, a verdade é nem mesmo o fim da segunda temporada do anime faz pensar que o fôlego da marca esteja diminuindo, muito pelo contrário. Novels ainda mais interessantes que as que já foram transformadas em anime estão a disposição para mais temporadas e isso não é tudo o que Suzumiya Haruhi no Yuutsu tem a oferencer.

O trabalho em cima da parte musical da série é outro ponto muito forte. É quase como se fosse uma "fabrica de hits otaku" (eu diria que é literalmente). God knows, Lost My Music, Hare Hare Yukai e agora Super Driver e Tomare! são prova mais do que suficiente que não é de espaços restritos e tédio catastrófico apenas que vive SHY.

Como fã e como crítica de animes eu recomendo imensamente a série, tanto as novels quanto o anime. Só cuidado para não querer depois de ver o último capítulo fundar um templo em adoração a "Deusa Haruhi" ou sequestrar garotinhas moe para vestir de bunny-gal =)

Matta ne! o/

Comentários

  1. Olá Lilian,

    Primeiramente gostaria de agradecer aos elogios ^^ fico muito feliz que você tenha gostado do Gyabbo!. Entrei no seu blog e li alguns textos, tem muita qualidade, você escreve muito bem! Coincidentemente, meu próximo post no Gyabbo! será justamente sobre Haruhi Suzumiya e o possível fim dessa segunda temporada, ler o seu texto me ajudou a desenvolver melhor essa ideia.

    Não mora mais em Manaus? Que pena, queria conhecer mais blogs daqui da cidade. Normalmente eu estou pelo eventos, mas vi que você cuidava da parte de animeke, nunca tive coragem de cantar XD

    Podemos manter contato com certeza!

    Abraços,

    Gyabbo!

    ResponderExcluir
  2. Espero que lancem mais animes de Suzumiya, de acordo com os mangás lançados. É um projeto gigante.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…