Pular para o conteúdo principal

Livro: The Disappearance of Suzumiya Haruhi

Hoje estou apresentando um review sobre o livro que li recentemente pela web (recentemente mesmo, quer dizer essa madrugada!): The Disappearance of Suzumiya Haruhi, ou O Desaparecimento de Suzumiya Haruhi, quarto livro da série de ficção-científica escrita por Tanigawa Nagaru.

Suzumiya Haruhi é amplamente conhecida no mundo pelo público apreciador de animes japoneses, uma das séries que mais causa comoção por esse público. O que passa despercebido aos olhos dos otakus menos atentos é que o anime Suzumiya Haruhi no Yuutsu é baseado na série de light novels que contam a saga do jovem normal Kyon tendo que lidar com todos os tipos de situações fantasiosas que acontecem por causa da garota chamada Haruhi Suzumiya.

Para quem não está familiarizado com o termo "light novel" é fácil explicar: Light Novels são livros que contém algumas ilustrações e normalmente não chegam a 300 páginas. Nos últimos anos diversas dessas séries de light novels vem ganhando adaptações em anime e mangá no Japão, mas a mídia literária em si tem um grande valor.

Falando agora de "The Disappearance of Suzumiya Haruhi" *título traduzido para o inglês*. Podemos começar dizendo que a série Suzumiya Haruhi como um todo pode e deve ser encarada como uma série literária, pois nada perde ou é menos relevante do que as obras tradicionais. É uma exelente série de ficcção-cietífica com direito a E.Ts, viagens no tempo e até Deuses pós-modernos muito diferentes dos padrões de divindades da literatura.

Desde o primeiro volume da série Tanigawa Nagaru foi capaz de seduzir qualquer que tenha fraco pela ficção-científica, a narração em primeira pessoa não deixa escapar nenhum detalhe dos acontecimentos e os constantes comentários e reflexões (muitas vezes altamente sarcásticas) do narrador (Kyon) complementa a trama de modo primoroso. Cada personagem está perfeito em seu papel e a história não deixa 'pontas soltas' em nenhum momento, todos os detalhes compõe o todo da obra.

Nessa quarto volume Tanigawa foi além: nos fez sentir a angústia de Kyon quando deparado diante de uma situação onde, dessa vez, ele não terá a saída facilitada por algum de seus companheiros com atributos especiais. Diferente de todos os acontecimentos anteriores, não se trata de mais um problema causado pelos poderes de Suzumiya Haruhi. A trama faz uma quebra nesse sentido tão forte que o livro poderia bem ter outro personagem como título, mas isso não é algo a se questionar. Uma epopéia pelo tempo, pela realidade e pelo desejo de simplesmente poder ser uma pessoa normal, levam Kyon a um momento crucial, onde ele deve decidir se prefere um mundo comum, normal e pacífico, ou a realidade cheia de espaços restritos e batalhas impesáveis que Suzumiya Haruhi faz existir.

Comparando com as novels atenriores de Suzumiya Haruhi, está parece na minha visão muito mais grandiosa no enredo, com suspense, viradas, momentos de choque e um final digno de uma trama que pode vir a ser considera clássica.

Existe ainda muito preconceito com relação a considerar light novels como livros como os demais. Provavelmente um problema que os livros de ficção considerados "infanto-juvenis" nesse lado do globo também enfrentam. Mas, ao se tirar a venda dos olhos pode-se apreciar uma grande obra que nos afasta um pouco os sentimentos de uma realidade cinzenta e sem graça e quase nos faz desejar novamente, como a muitos anos atrás, que serem e situações surreais realmente existam.

Talvés no fim das contas, esse seja o maior dos poderes de Suzumiya Haruhi.

Matta ne!

Comentários

  1. Muito interessante, mas faltou os links pra gente conferir! Light Novels são legais, mas são raríssimas de se achar na net, ainda mais traduzidas para o inglês. Vou ler todas as Light Novels de Lodoss um dia!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…