Pular para o conteúdo principal

Review – Shoujo Kakumei Utena (Anime)

Shoujo Kakumei Utena, ou Revolutionary Girl Utena (nome ocidental) é um anime que pode ser considerado no mínimo polêmico, mas talvez o adjetivo ‘profundo’ lhe coube-se ainda melhor. A obra narra a saga da jovem Utena Tenjou (após pesquisas descobri que o nome dela significa algo como Cálice Acima do Céu, quem sabe algo relacionado a cálice sagrado, não sei, apesar de anos de prática, não sou a melhor com subliminares), uma garota que tem um objetivo muito clichê: encontrar seu príncipe encantado.

De primeira Utena pode parecer realmente um conto de fadas, mas isso apenas uma impressão de quem olha muito superficialmente, porque toda a obra e recheiada desde o começo até o final de coisas muito diferentes das que se espera de um conto de fadas.

Pra começar, Utena admira tanto seu príncipe do passado que QUER SER um príncipe. Veste roupas masculinas da escola e tem uma vida ativa, sendo admirada por todas as garotas e garotas da escola de Ohtori, onde se passa toda a estória. Mas, apesar dessa atitude da moça ela declara abertamente que é uma garota normal, que sonha com um rapaz que deseja encotrar.

A trama que se desenrola depois de acidentalmente Utena conhecer Anthy Himemiya (e estranhamente ganhar a garota como sua noiva em um duelo de espadas!) é completamente diferente de outras estórias que se vê normalmente numa obra que é rotulada como ‘shoujo’. Amor incesto, homosexualismo e uma rede de conspirações cada vez mais grandiosa e aparentemente com poderes ilimitados (diga-se de passagem que todos os ‘Duelistas’ desejam através de batalhas adiquirir o pode de Dios (Deus em grego) para dar inicio a Revolução Mundial) são elementos comuns nessa estória que respira a palavra ‘surreal’ a cada descoberta que fazemos sobre seus personagens.

Seus 39 episódios envolvem aquele espectador que gosta de tramas onde “tudo é muito mais do que aparenta” e afirmo com certeza, se fosse produzido no século 21, com muito mais recursos visuais e sonoros, faria um sucesso igual ou maior do que fez desde seu lançamento.

No Brasil a obra é vista a distância e com desconfiança pelo público otaku, por ser grosseiramente classificada como Yuri, o que é um engano em muitos sentidos, tanto de entendimento da classificação de obras japonesas como de preconceito contra o que uma obra pode oferecer. Apesar das discussões ainda ocorrerem por esta terra brasileira Utena é um shoujo-ai, um dos mais leves e sutis que vi. E se tirando a venda dos olhos de preconceito existe muito conteúdo para ser apreciado nesta obra.

Com certeza um anime que recomendo a qualquer pessoa assistir, tanto que ainda escrevei no futuro mais post sobre ele aqui, é uma das minhas maiores influências afinal =P

Matta ne!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…