Pular para o conteúdo principal

Love Hina Return...finalmente

OBA! vamos lah, vou arriscar meu pescoço e publicar o primeiro cap. do meu fic de love hina, espero que gostem, ele tah num estilo mas narração mas, fazer o que.....

Urashima 1: Os irmãos Watanabe

Tudo começa em uma escola primária. É o intervalo entre as aulas e as crianças correm de um lado para o outro. Perto dos balanços um grupo de meninos ri enquanto conversa sobre a nova serie de super sentai que estreara a pouco tempo na TV, todos menos um que olhava distraidamente para algo distante:
- Ei, Hiro. Por que você ta tão calado, heim? – pergunta um dos garotos e o jovem Hiro parece despertar de um transe.
- Heim? Nada, eu só...- começou ele atrapalhado.
- Ah!- exclamou outro garoto descobrindo para onde Hiro estava olhando. - Você já tava olhando e novo “praquela” garota, né???- acusou
- Ga-ga-garota?!- engasgou Hiro e os outros garotos pararam para ouvir a conversa, deixando o jovem mais sem jeito.
- Ué? AQUELA garota?- perguntou o primeiro garoto apontando para onde Hiro olhava antes. - Mas ela não é aquela adotada que não fala com ninguém? Vai me dizer que....você gosta dela, Hiro?- perguntou em tom de zombaria e os outros garotos deram boas gargalhadas. Mas Hiro ficou serio e não deu trela pros garotos.
- Pois ela é a garota mais legal dessa escola!- afirmou decidido.
- He... e como você sabe?- perguntou o garoto de óculos enxugando as lagrimas de riso. - Ela nunca deve nem ter falado com você!
- Mas...- tentou responder Hiro sem encontrar palavras enquanto os garotos riam.
- Ela é tão estranha que ninguém nem sabe o nome dela!- comentou um garoto provocando mais risadas.
- EU sei o nome dela!!- exclamou Hiro fazendo os meninos se calarem, e olhou para a garota de cabelos negros que se balançava silenciosamente, brincando e fazer estranhos nós com barbantes. – O nome dela é Kanako Urashima.



“PI! PI! PI!”, grita o despertador e um jovem de cabelos castanho-claros acorda de um sonho com seu passado distante e desliga o aparelho. Ele é Hiro Watanabe com 22 anos que nunca tentou entrar em uma universidade e que atualmente vive para cuidar do futuro de seu irmão mais novo.
- Acorda Takato. – chamou cheio de sono à porta do outro quarto do pequenino apartamento onde morava.
- To indo. – respondeu Takato de debaixo dos cobertores. – Mais um dia de aula em uma escola estranha e cheia de gente chata. – resmungou antes de se levantar.
Hiro e Takato se arrumaram e sentaram-se para tomar o café da manhã. Eram até parecidos fisicamente: os mesmos cabelos castanho-claros e curtos, a diferença era o penteado mais sofisticado do mais novo, hiro não gostava de cuidar desses detalhes e deixava os cabelos simplesmente curtos. Takato era um pouco mais baixo e tinha uma expressão ainda muito juvenil perto do irmão que vivia de pular em trampo em trampo para sustentá-los:
- Ei Hiro, hoje você vai ver aquele trabalho? – perguntou Takato enquanto comia e ajeitava a gola da camisa.
- É...eu liguei ontem pra lá e a dona me disse para eu aparecer lá hoje, talvez eu até comece hoje mesmo. – respondeu o irmão mais velho satisfeito.
- Bom, espero que esse seja pra valer, to cansado de mudar de colégio. – comentou o outro. – Qual é o nome do lugar?
- Chama-se Casa de Chá Hinata, e a dona se chama Mitsune Konno. – respondeu Hiro e de repente teve a impressão de que aquele nome lhe era familiar.
- Er...eu já vou indo se não vai ficar tarde. – disse o irmão mais novo levantando-se da mesa com um costumeiro ar de desanimo de ir para a aula em um lugar estranho como era aquela escola secundaria. Hiro percebeu isso e pensou rapidamente em algo para tentar anima-lo.
- Tenho certeza de que hoje você vai fazer bons amigos, vai ver. Nunca se sabe quando boas pessoas vão cruzar nossas vidas. – disse com um tom um pouco animado demais.
- Hum...quem sabe né? – respondeu Takato sem realmente acreditar naquilo. –Teh mais mano. – e saiu para pegar o metro sem falar mais nada. Hiro continuou sentado a mesa por algum tempo, pensando sobre algumas questões que surgiram em sua mente:
“De onde eu conheço o nome Hinata? E que sonho foi mesmo que eu tive antes de acordar? Tenho certeza de que era importante...”.


Quarenta minutos depois Takato entra pela porta da sala de aula e viu que não havia chegado quase ninguém, além de umas três garotas. Ele preferia chegar cedo para não chamar muita atenção. Caminhou distraído pro entre as filas e não percebeu quando uma garota aproximou-se com uma enorme pilha de livros nas mãos.
PAF! Os dois se esbarraram de ombro e os livros decolaram dos braços da garota que tropeçou com o susto. Takato ainda tentou segura-la, mas também tropeçou.
- AI!
- ARGH!
Quando abriu os olhos estava de cara para a calcinha da garota (?!) com a qual esbarrara e que agora estava praticamente sentada em cima dele.
“Ah...”. - ele tentou dizer antes que a confusão piorasse mas a garota de cabelos pretos viu-o ruborizou intensamente.
- AIEEEE!! –berrou pulando para longe do garoto que ficou sem ação.
Antes que pudesse pensar dois pares de mãos o seguraram e o regueram e ele viu que eram as duas outras garotas , uma com longos cabelos loiros e outra ,enor e com cabelos castanho-avermelhados. As duas o encararam irritadas:
- O que você pensa que esta fazendo garoto? – perguntou a menor.
- Eu er...sinto muito! – exclamou Takato corando, aflito.
- Você ta legal Ema? – perguntou a garota loira para a de óculos que ainda se recuperava do susto.
- T-tô. – respondeu esta gaguejando.
- O que tema dizer em sua defesa? - perguntou a ruivinha voltando-se para o garoto, ainda abobado, com um tom de ameaça.
- É...é...foi um... – tentou responder ele gesticulando nervoso com os braços, até que sua mão direita foi parar... no busto da garota loira (?!). - ...a-ci-den.....t....
“POW!!!!”
A garota de cabelos loiros acertou um socão na cara de Takato que foi parar esparramado no chão alguns metros para trás junto aos livros com o nariz sangrando:
- Tarado... – disse a garota baixinho e a menor concordou coma cabeça.
- Merece morrer pela insolência... – completou esta com sombras encobrindo seu rosto.
- Au! O-o quê?! – exclamou Takato desajeitado ainda no chão limpando o sangue do rosto e ajeitando os cabelos.
- Calmas aí, vocês duas! – exclamou a garota de óculos se pondo entre elas e ele. – Foi um acidente, oras! Que nem costuma acontecer lá na pensão quando o Keitarô ta lá, lembram?
A garota ruiva pareceu ficar ainda mais zangada, mas a loira parece se divertir:
- Verdade....puxa faz tempo que o Keitarô não aparece.... – concordou sorrindo. – è, acho que a Ema salvou tua pele garoto....e to sentido falta mesmo de um pervertido bobão.
- Pervertido?! – exclamou Takato pego de surpresa. A garota loira se aproximou e estendeu a mão para ajuda-lo a levantar.
- Levanta aí, cara. – e Takato aceitou a mão oferecida levantando-se. – Foi mal o soco tá? É força do hábito. - explicou sorrindo e Takato percebeu que provavelmente ela era estrangeira.
- Ah...- disse sem entender. – Ah! Desculpe-me pelos livros! - exclamou catando os volumes que ainda estavam espalhados pelo chão e devolvendo-os à garota de óculos. – Meu nome é Takato Watanabe, tenho 16 anos, prazer!
- Ah...meu nome é Ema Maeda, tenho 16 anos e... – respondeu a garota de óculos desajeitada mas foi interrompida pela garota loira.
- Meu nome é Sarah McDougal, tenho 15 anos e vim da Califórnia para o Japão.
- Califórnia? – surpreendeu-se Takato.
- É. Eu vim por causa do papai...mas bem, aquela garotinha emburrada é a Mei Narusegawa, ela tem 15 anos e tá no primeiro colegial, ela só ta aqui porque moramos na mesma pensão. – disse Sarah terminado as apresentações. – Ah...você é aluno novo por aqui não?
- Sim...está é a segunda semana que estou estudando aqui. Eu e meu irmão os mudamos a pouco tempo pra Tókio.
- Quer dizer que você não conhece ninguém por aqui? – perguntou Sarah.
- Ah...bem...é. – respondeu o garoto tímido.
As três garotas se entreolharam e Sarah virou-se para ele:
- Então acaba de fazer suas primeiras três amizades em Tókio! – afirmou.
- Quê?! – exclamou Mei parecendo detestar a idéia.
- Sé-sério? – perguntou Takato sem acreditar.


Algumas horas depois, assim que as aulas terminaram, Takato, Ema, e Sarah conversavam na praça em frente a escola colegial enquanto esperavam Mei:
- Você quer prestar Toudai? – exclamaram as garotas em coro.
- Sim, no próximo ano. É que meu irmão se formou lá em arqueologia e eu quero ser arquiteto. – explicou o jovem meio sem jeito em falar de seus planos.
- Arqueologia? – perguntou ema lembrando-se do “homem pá” que conhecera logo que chegara a Tókio.
- Mas você não disse que seu irmão fazia bicos? – perguntou Sarah.
- Ah...é que eu tenho dois irmãos, sabe...
- Ei! A ema também quer prestar Toudai! – disse Sarah e Ema assustou-se.
- Ah é? Legal! – disse Takato, animado.
- Legal seria se a média dela não fosse 48... – cochichou Sarah para o garoto alto o suficiente para a outra ouvir.
- Sa-sarah!! – exclamou Ema.
- Ah... – começou Takato meio sem jeito, tentando mudar o rumo da conversa. – Por falar em estudos, vocês acham que vão se sair bem na prova de amanhã?
- Ah... – Ema começou corando.
- Sabe, a aula daquele professor é um saco. Eu to voando na matéria dele... – respondeu Sarah num tom de quem não parecia dar muita importância.
- Ué? Então podemos estudar em equipe não? – sugeriu o garoto.
- O que? Hoje? Ah...não! Me dê um bom motivo pra desperdiçar meu tempo estudando hoje. – desafiou a garota parecendo indignar-se com a idéia de passar uma tarde inteira estudando.
- Ah...que tal esse? – perguntou Takato meio receoso, passando uma lista para Sarah.
- Peraí...mas isso não é... – disse esta passando os olhos pela lista, ao seu lado Ema ficou boquiaberta ao perceber do que se tratava:

RESULTADO DO SIMULADO NACIONAL – CURSO SASAKI – 2006

Takato Watanabe
Ueishi Motto
Washu Watanabe
.
.
.
Lílian Kate Mazaki


.
.
36.

- VOCÊ É O PRIMEIRO DO PAÍS?!?!?! – berrou Sarah e Ema ficou simplismente reticente a notícia.
- Ah....pois é. – confirmou Takato corando. – Na verdade eu tenho muita sorte com múltipla-escolha. – tentou emendar para não parecer muito nerd. – Ah...Sarah? tudo bem com você? – perguntou porque a garota fechou os olhos e fez uma expressão seria de concentração. Ela levantou a mão e instintivamente o garoto encolheu-se.
- Há! Pois você acaba de virar meu grande amigo e companheiro de estudos!!! – exclamou ela dando um tapão nas costas do garoto.
“UGH!”
- O que tá pegando? – perguntou Mei que vinha chegando a eles com uma expressão emburrada, mais ainda ao ver Takato.
- E aê pirralha! – cumprimentou Sarah parecendo muito animada não dando nem tempo pra outra retrucar a ofensa. – É que hoje o Takato vai com agente pra pensão! – comunicou o os outros três se surpreenderam. – Nos vamos estudar pra prova de amanhã!
- Ah...mas você não disse que... – tentou dizer o jovem.
- Mas você nem gosta de estudar... – comentou Mei, desconfiada.
- E daí? Quantas vezes você tem a oportunidade de estudar com o primeiro do país? Heim? – perguntou Sarah acaloradamente.
- Quê?
- Ah...meninas... – tentou dizer novamente Takato, sem sucesso.
Ema apenas observava os três outros enquanto pensava. Aquele Takato Watanabe era diferente dos outros garotos, mais quieto, inteligente, educado e de alguma maneira isso a deixava desconfortável. Realmente ela não sabia se era uma boa idéia formar um grupo de estudos com aquele garoto:
- E você vai levar um garoto que conheceu hoje lá pra pensão? Ainda mais um pervertido?! – questionou Mei impertinente.
- E daí? Ele quase teve um treco só com aquele soquinho que eu dei nele! Que mal ele pode fazer? – respondeu Sarah categoricamente o Takato sentiu-se ofendido. – Então: você vem com agente? – perguntou ele virando-se para o garoto, ignorando a nova chuva de protesto que Mai estava prestes da deferir.
- Ah...t-tá. Eu vou. – respondeu ele e Sarah fez um “v” de vitória para o menor. – Mas, onde vocês moram afinal?
- Ah é. Eu nem disse né? – percebeu Sarah sem graça. – Nós três moramos no mesmo lugar: a Pensão Hinata.
- Hinata....?


- Hum...deve ser por aqui...
Hiro subia por uma ladeira, era um bairro interessante e calmo. Estranhamente ele tinha a sensação de que conhecia aquele lugar. Mais alguns metros e viu uma placa junto a uma escadaria que dava para um pequeno e belo edifício. Na placa lia-se: Casa de chá Hinata.
Ele soltou um leve sorrisinho e começou a subir a escadaria. “Talvez eu finalmente arranje um trabalho fixo”, pensava esperançoso, ”não é justo fazer um garoto como o Takato ter que viver mudando-se de um lado para o outro”. Quando já ia chegando à porta do estabelecimento, porém, ele ouviu um estranho ruído metálico vindo de um canto:
- Ah...tem alguém aí? – perguntou hesitante sem obter resposta. Mas quando virou-se para a porta um ruído alto de alarme soou inesperadamente.
“ALERTA! INTRUSO!” disse uma voz enlatada e de repente surgiu um mecha de três metros de altura na frente do jovem que ficou sem ação.
“PROCEDIMENTO PADRÃO: CAPTURAR E LEVAR À MESTRA” disse o mecha apontando varias garras metálicas ameaçadoras em sua direção:
- Ca...capturar?! – exclamou Hiro, mas antes que tivesse tempo de tentar fugir, duas garras apanharam-lhe pelos tornozelos e o ergueram no ar. – E-EI! Me solta seu...ah...coisa!!? – brandiu ele debatendo-se de cabeça para baixo, mas o robô não lhe deu atenção.
“MESTRA LOCALIZADA. ENVIANDO INTRUSO”.
- Q-quê?
O enorme mecha girou Hiro no ar e simplesmente atirou-o no ar a uns cem (ou mais) metros de altura:
- AARRGH!!!!!
Ele foi subindo, subindo até parar no ar, foi então que ele pode ver a enorme costrução lá embaixo, não muito distante da casa de chá. Mas logo começou a cair como um meteoro e viu que cairia direto no que parecia um banho ao ar livre:
- SAI DE BAIXO!!!!!
No banho, três mulheres ouviram o grito de Hiro e viram um meteoro humano vindo em sua direção.
SPLASH!!!!!
Por sorte Hiro caiu direto na água fazendo-a voar para todos os lados em cima das mulheres que ali estavam. Mas o jovem quase engole dois litros d’agua e sai para a superfície desorientado e se segura na primeira coisa que sente a sua frente para tentar recuperar o fôlego:
- Caraça! Quase morri agora! – exclamou ele ainda de olhos fechados e foi aí que ele percebeu que se segurava em algo macio e quente e....que respirava (!?). Quando abriu os olhos percebeu que estava com a cara enfiada entre dois...peitos!!!!
- ........ – foi a única coisa que expressou ele, a garota de longos cabelos acinzentados na qual Hiro estava agarrado e das outras duas mulheres despidas no banho. O tempo pareceu congelar alguns segundos até que...
- TARADO!!!!!!! – berrou a mulher na qual o jovem se segurava. – TARADO!!!! – repetiu ele pulando para longe dele e ele para longe dela.
- Es-esper... – tentou dizer, mas uma voadora lhe acertou em cheio e ele voou para o lado, caindo novamente na água. Quando emergiu viu que havia sido atingido por uma garota morena de cabelos louros.
- Nya-há-há! Bem feito tarado! – riu-se a garota apontando para a cara amassada do jovem.
- Ah... – tentou dizer Hiro, mas sentiu de repente uma presença ameaçadora às suas costas. – Heim....? – Mal teve tempo de perceber que se ratava de uma bela e alta mulher de longos cabelos negros.
- Não merece piedade. – disse sombriamente a mulher. – ZAN GAN KEN!!!! – berrou proferindo um golpe na água que gerou uma onda tão forte que arremessou Hiro uns trinta metros à frente indo parar em uma sala fora do banho ao ar livre.
“MESTRA, FUI EU QUE CAPTUREI E LHE ENVIEI UM INTRUSO”, disse o misterioso mecha chegando pelo ar dirigindo-se à mulher loira que tinha estranhas bolinhas rosadas na face:
- Ah! Fez um bom trabalho Mecha Tamago Ninty-Nine! – exclamou a garota contente.
- Você esta bem Shinobu? – perguntou a mulher de cabelos pretos cobrindo-se com uma toalha.
- Si...sim. – respondeu a jovem de cabelos acinzentados ainda muito atordoada.
- Certo. Então vamos descobrir a identidade do tarado.
Enquanto isso Hiro estava caído no corredor de acesso ao banho ainda zonzo pela serie de pancadas que acabara de levar. Ele ouviu passos vindo tanto e trás quanto da sua frente e aproximando. As três mulheres do banho apareceram as suas costas, agora pelo menos cobertas por toalhas. Elas o encararam por um instante:
- Agora, explique-se tarado. – ordenou a mulher mais alta das três.
- Ah...
- Ei gente! Que barulheira é essa? – perguntou uma voz feminina vinda da frente e entraram outras quatro pessoas na sala. Hiro se surpreendeu ao ver que eram três outras garotas e...
- Takato? – perguntou Hiro surpreso.
- Hiro? Perguntou Takato tão surpreso quanto o irmão.
- Como é? – perguntou Sarah e a mulher de cabelos negros ao mesmo tempo.
- Ué? Que confusão vocês estão aprontando aí meninas? – perguntou uma outra voz feminina vindo até o local. – Vocês não viram perdido por aí um cara chamado Hiro Watanabe? É que ele vinha hoje pra vê se me dava uma mão lá na casa de... – disse enquanto duas mulheres entravam na cena. Uma de longos cabelos ondulados e outra de cabelos claros e curtos com um cigarro que é a que falava.
O silencio ecoou durante alguns segundos, até que...
- Ah...eu sou Hiro Watanabe. – disse Hiro molhado, machucado e ainda caído no chão.


- Puxa cara. Desculpa pela confusão. – pedia Mitsune Konno, a dona da casa de chá ainda com um cigarro pendurado na boca.
Todas estavam sentadas na sala de estar da Pensão Hinata. Hiro, com uma toalha nos ombros, e Takato sendo encarados por aquelas oito mulheres estranhas:
- Tu...tudo bem. – respondeu o irmão mais velho enxugando os cabelos fazendo careta porque estava com um enorme galo na cabeça.
- Então...você é o cara que vinha trabalhar na casa de chá? – perguntou timidamente a garota de cabelos acinzentados que se chamava Shinobu.
- É...é. – respondeu Hiro sem jeito, não conseguia esquecer a sensação de ter abraçado aquela garota, ainda mais sem roupa.
- Realmente sentimos muito, houve um grande mal entendido. – disse a mulher de longos cabelos negros. – Meu nome é Motoko Aoyama.
- C-certo. Sem problema. – desculpou o jovem sem se esquecer da força extrema daquela mulher.
- Kaolla! Você não devia ter colocado aquele mecha a postos na posta da casa de chá! – brigou Mitsune zangada, dirigindo-se à garota morena com bolinhas rosadas no rosto.
- He....foi mal. – disse a garota.
- Takato, então quer dizer que você é irmão desse aí? – perguntou Sarah.
- É. Foi por isso que fiquei surpreso quando soube que vocês moravam numa pensão chamada Hinata. – explicou o garoto e as mulheres ficaram meio surpresas com o jeito educado do garoto.
- E quem é esse jovem bonitinho, Sarah? – perguntou a mulher de cabelos ondulados. – seu namorado? Ou é namorado da Ema?
- Heim?! – exclamou Ema corando.
- Claro que não Mutsumi! – exclamou Sarah parecendo ofendida, apesar de corar um pouco também. – Ele é uma garoto novato da nossa sala, agente só trouxe ele aqui porque....
“O QUÊ???? ELE É O PRIMEIRO DO PAÍS?!?!?!?”
Todas as outras se surpreenderam ao saber do fato e começaram a disparar comentários e perguntas como balas:
- Uau...nunca mais tinha visto alguém tão bom desde a Naru, é claro.
- Você usa o método secreto de estudos de Okinawa?
- Pow...voce é nerd mesmo heim, garoto?- perguntou Kaolla para Takato que estava intimidado com tanta exposição.
- Ah...bem...
- Ora, não mudem de assunto! Exclamou Mitsune, pondo fim a algazarra. – Graças a vocês. – disse apontado para Shinobu, Kaolla e Motoko. – Eu perdi meu funcionário antes mesmo do primeiro dia de trabalho!
- Perdeu? – exclamou Hiro surpreso. – Não posso mais trabalhar na casa de chá?
- Heim? E você ainda quer depois de toda essa confusão? – perguntou Mitsune esperançosa.
- Claro! – respondeu prontamente o jovem.
- Sério? E você daria uma forcinha aqui na pensão por uns trocados a mais? – ofereceu Mitsune. ”já vai começar a exploração...”comentou Mei baixinho com Sarah.
- Lógico!! – respondeu o jovem animado.
- Ah! Então está feito! – exclamou Mitsune. – Sejam bem-vindos Hiro e Takato! A Pensão Hinata está aberta para vocês! – “como assim aberta?” questionou Mei aborrecida.
- Obrigado Konno-san. – agradeceu Hiro, mas a mulher fez uma careta.
- Começa me chamando apenas de Kitsune. – disse ela ela no momento em que o fax apitava.
- Dexa comigo! – disse prontamente Mutsumi indo até o aparelho.
- Entao Takato: vamos estudar? – perguntou Sarah vendo que a conversa tinha terminado.
- S...sim. – respondeu o garoto.
- Bom, eu vou voltar para os meus treinos. – disse Motoko se levantando.
- E eu vou lavar roupa. – disse Shinobu também se levantando.
- Posso ajudar Shinomu?- perguntou Kaolla esperançosa.
- Ah...
- Gente, o fax era da vovó. – disse Mutsumi voltando com um papel nas mãos.
- E o que a vovó disse? – perguntou Sarah.
- Ela disse que a logo teremos uma gerente na pensão.
- O que? Ela vai voltar?? – perguntou Kitsune ansiosa.
- Não...ela vai mandar nossa velha Kanako Urashima de volta pra cá, pra passar uma temporada conosco.
Todas as garotas desataram a fazer comentários, mas Hiro não ouviu nenhum deles, pois sua mente estava em choque, de repente ele encaixou todas as perguntas que estavm em sua cabeça desde aquela manhã em uma única expressão.
“Kanako Urashima”.

Comentários

  1. Bem acabei de ler a sua fic e como esperado ficou otima. Imagine que todo homem já sofreu lá quando passou na pensão hehehehehehehehehehe
    São raros como Keitarô e Hiro que conseguem sobreviver dos ataques fuminantes das garotas da pensão.

    Bom se tivesse postado no fanfiction.net tambem, afinal lá é um bom lugar.

    Tambem é raro encontrar fics que focam a Kanako. Continue com essa otima fic

    PS: A proposito sou o criador da fic Dimension Hina.

    ResponderExcluir
  2. Luiz Rodrigo09/06/2007 12:34

    poxa num consegui ver o perfil desse foxvamp que postou comentario...ficou legal,ateh ótimo...mas q deu uma perguiça de ler deu ...

    ResponderExcluir
  3. lilian kate mazaki25/06/2007 10:18

    valew fox e luiz, eh emocionante ver que alguem leu minha estoria!!!!ai ai...

    eu to tentando postar no fanfiction.net, mas naum entendo de ingles, ai fika mais dificil...mas, como o fox jah deve ter visto, jah postei no nyah....

    a proposito fox: jah add suas fics do nyah na minha lista de favoritas, soh ainda naum deu tempo de ler com calma pra mandar um review...vc naum tem aquele rebirth(acho q escreve assim...)?

    ResponderExcluir
  4. Obrigado por intiresnuyu iformatsiyu

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…