Pular para o conteúdo principal

ESNBR: Era uma vez...

...quatro meninas malucas que se conheceram no famigerado CEFET-AM: Taly(otaku, fa de quase todos os mangas shoujo); Marian(otaku, eterna fã de sailor moon, samurai x e, na epoca, colecionadora de inuyasha[ mas o infinito manga venceu sua determinação de coleciona-lo algum tempo depois]); Mazaki(dããããããã, na epoca viciada em love hina[ kanako! Kanako! Perai! Mas kanako não seria uma anagrama de...ah voltando ao assunto]) e Selma-chan(que achava na epoca que manga soh era uma fruta que deixa fiapo no dente).
Elas conversaram muito sobre anime, manga e outras coisas made in japan e derrepente, não mais do que derrepente, surgiu uma estranha ideia: que tal criar uma CLAMP brasileira?! Legal!!!!!! E as quatro meninas decidiram que fariam um manga de verdade( mas a mazaki desenha e cria o roteiro!!!!!!!![ pobre mazaki...todo trabalho ficou pra ela...mas tambem quem mandou sair mostrando seus fanzines e criações proprias?]).
Logo a editora sem nome ganhou o nome de ESNBR( Editora Sem-Nome Brasil, oohh..) e o primeiro projeto entrou em pauta: um manga no qual as proprias garotas seriam personagens e a estoria se passaria no CEFET. E trouxe ded quebra um garoto para a equipe: mushashito( o galã do cefet, eh claro!) que veio para mexer com os animos do grupo( principalmente com os da mazaki...pobre mazaki...).
Soh que as coisas não foram apenas flores e o projeto ESNBR não foi para frente. Motivo? Bom, existem varias versões e varios motivos conjuntos para o frracasso do ESNBR e vou aki expor o meu motivo( o mais livre de opinião propria o possivel). Vamos a ele.
Marian e Mazaki não concordavam em nada.(“ se quer que seja assim, faça voce mesma oras!!!” dizia mazaki estressada com tanta pressão. “ mas soh VOCE sabe desenhar bem aki!!!!!”, alegava Marian que adorava subestimar a si propria), Taly e selma-chan naum ajudavam nada( “ o que voces decidirem eu aceito.”, diziam em coro) e Mushashito nunca comparecia as reuniões( “ah, eh mesmo...a reunião neh?...).
Enfim, o ESNBR afundou antes mesmo de subir( deve tah bem fundo então eu diria...). e ah quem atribua a culpa do fracasso do grupo a um ser maligno das trevas que assombrava os otakus do cefet: Malvadus Malignus( que mais tarde viria a ser derrotado pelos mangas, ele se tornou fã dee chobits!!!).
E essa foi a historia do ESNBR, um grupo que tinha tudo pra ir bem longe mas esqueceu de amarrar os sapatos pra dar a partida( gostei dessa analogia...). Pra mim, valeu soh por ter conhecido pessoas tão divertidas e que ficariam na minha vida por muito tempo como Marian, Selma, Taly, Mushashito, Maligno ateh!!!!!! Aquele foi o melhor ano de ensino medio que eu tive....e foi principalmente por causa desses maluquinhos todos!!!!!
Hoje em dia os membros do ESNBR tomaram seus proprios rumos e o sonho de ser mangaka foi a única coisa que restou de mais forte para uni-los em seus corações...
Tudo que eu espero eh poder qualquer hora dessas cruzar com um de voces, meus companheiros de ESNBR, em uma dessas esquinas da vida....
Ateh lah então amigos....

Comentários

  1. legal por q em vez de vc fazer fanfics voce naum faz seu proprio mangah com base nessas historias?

    ResponderExcluir
  2. ei mazaki adorei o seu omentário sobre o ESNBR... tudo verdade
    ohhhh não esqueci de tu não... só não deu pra aparecer ainda, mas eu não falho com a minha palvra.

    Agora só falta vc contar a história so sonho mais real da maryan, né
    demais


    bjinhus

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UQ Holder - o novo mangá de Ken Akamatsu começa com tudo!

A estréia de UQ Holder, nova obra de Ken Akamatsu se deu no mês de agosto deste ano de 2013 e foi cercada de grande expectativa: desta vez o mangaká tinha a intenção clara de fazer um mangá de ação desde o princípio.
Talvez no Brasil o trabalho de Ken Akamatsu não seja tão reconhecido quanto poderia. Sua imagem é muito marcada pelos fanservices de Love Hina. Muitos sequer chegaram a ler sua obra seguinte e de maior sucesso comercial: Mahou Sensei Negima. O plot de um menino cercado de 31 garotas também ajudou a aprofundar o preconceito de leitores que (no meu ver pessoal) parecem valorizar demais a sexualidade nos mangás, esquecendo de analisar outros aspectos como a comédia, e, principalmente, a qualidade dos personagens.


Ken Akamatsu é um mestre em criar personagens cativantes e Negima foi um grande sucesso quando conseguiu mesclar a comédia, esses personagens apaixonantes e uma dose de ação crescente. Lutas muito bem desenhadas estão nas páginas da obra de forma cada vez mais cons…

Sobre o que fala Suzumiya Haruhi, afinal?

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels que já conta com 10 volumes e o suspense se irão haver novas publicações ou não. A história ficou mais famosa quando se transformou em anime e então a franquia caiu no gosto do público otaku pelos seus clichês cômicos, personagens carismáticos e uma dancinha viciante para viralizar. Porém muitos acabam julgando que a obra não passa de um entretenimento barato para otakus e que não possui nenhuma mensagem intrínseca. O que é um erro e eu vou dizer o motivo:

Qualquer obra, por mais comercial e batida que seja, pode conter em si uma mensagem, talvez supérflua, talvez profunda, mas não é por causa de questões visuais ou estilísticas que deve ser ignorada essa possibilidade.

Vou citar um exemplo de conhecimento mais comum no mundo do entretenimento para deixar mais simples o entendimento.

Matrix, o filme de 1999, é uma história louca sobre pancadaria alucinada entre realidade e mundo digital? Bom, essa pode ser a cara do filme, com seus efeitos …

Comentários sobre Planetes v.1

Olá a todos!
Esse ano de 2015 tem sido muito bom para leitores de mangá que também são leitores de ficção-científica. Grandes anúncios como Akira e o relançamento de Eden (ambos pela Editora JBC) são alguns dos principais nomes desse momentos, mas outros títulos de peso também chegaram às bancas. Esse é o caso de Planetes, mangá de Mokoto Yukimura, autor também de Vinland Saga (ambos publicados pelo selo Planet Mangá, da Panini).
Comentários sobre a trama



Em um futuro próximo, onde o desenvolvimento da exploração espacial já torna possível a construção de estações e bases em alguns pontos do Sitema Solar, em Planetes acompanhamos a vida de Hoshino Hachirota (ou "Hachimaki", como lhe chamam), um jovem astronauta que tem uma das funções de menor glória: lixeiro espacial. Um trabalho exigente e necessário, mas que não é dos mais gratos.
Temos, além de  outros dois tripulantes na nave Toy Box: Yuri Mihairokov, um russo que tem um motivo bastante distinto. Além deles temos a pilo…